13:39 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Caça sueco Gripen E, da companhia Saab, parceira da Força Aérea Brasileira (FAB)

    Caça da Embraer seria 1° supersônico do Brasil

    © Sputnik / Thiago de Araújo
    Brasil
    URL curta
    22403
    Nos siga no

    O projeto MFT –LF da Embraer nos anos 1980 foi pensado como um caça acessível e avião de treino avançado que poderia ter sido bem sucedido.

    Atualmente envolvida na fabricação do Gripen F, um caça de dois lugares, em parceria com a empresa sueca Saab, a Embraer está prestes a iniciar seu primeiro projeto supersônico. Contudo, a empresa esteve perto de fabricar seu próprio caça supersônico nos anos 80.

    Isso ocorreu em uma época em que a empresa pertencia ao governo brasileiro. A empresa começou tais projetos no início dos anos 70, quando fabricou o Bandeirante para a Força Aérea Brasileira (FAB), aeronave que, posteriormente, foi utilizada em diversos outros países, conforme o portal AIRWAY1.

    Na época, a Embraer também produziu o AMX, uma aeronave de ataque subsônica desenvolvida em parceria com as empresas italianas Aeritalia e Aermacchi. Com isso, a empresa brasileira começou a considerar a produção de um caça multifuncional supersônico, que também serviria para o treinamento avançado.

    A ideia era fornecer à Força Aérea uma aeronave moderna que pudesse substituir os jatos EMB-326 Xavante e o F-5 Tiger II.

    O avião em questão, um projeto da Embraer nos anos 80, era o MFT-LF, sigla para MultiFunctional Tatical – Light Fighter, ou seja, era um caça leve tático multifuncional.

    Aeronáutica cobra do governo mais recursos para a FAB
    Agência Aérea/Sgt. Batista/Fotos Públicas
    A ideia era construir um caça leve com velocidade máxima de Mach 1.7, contando com um motor Rolls Royce Snecma MH45 de 3.500 kg de empuxo com pós-combustão.

    O MFT-LF teria 11,25 metros de comprimento, envergadura de asas de 8,7 metros e 4,03 metros de altura, possuindo praticamente o mesmo tamanho do caça F-5.

    Foram divulgados poucos detalhes sobre o projeto, contudo, dois documentos revelados na época indicaram alguns pontos do projeto da Embraer, que era bastante convencional, contando com entradas de ar retangulares nas laterais da fuselagem, asas mais altas, e estabilizadores horizontais.

    De modo geral, a aeronave era em parte semelhante ao caça F-16 e ao Tornado. Contava com um canopy (capota) com um ou dois arcos, esse último na versão de dois lugares, destinada ao treinamento e possivelmente à guerra eletrônica.

    Diante do fracasso das vendas da AMX, o futuro do projeto MFT-LF não estava claro. O próprio governo brasileiro condicionou o apoio ao programa à busca de parceiros em outros países para dividir os custos do projeto. No entanto, o mundo estava vivendo o fim da Guerra Fria e algumas ameaças deixaram de existir.

    Devido aos problemas enfrentados, a FAB cogitou obter os caças chineses J-7, entretanto, obteve um novo lote de caças usados F-5 dos EUA, resultando no adiamento da questão do novo caça.

    Por fim, a Embraer abandonou seu projeto de caça supersônico e somente agora aceitou o desafio em parceria com a Gripen, que foi selecionada para reequipar a FAB.

    Mais:

    Embaixador da Palestina sobre conflito com Israel: 'Queremos que Brasil fique perto de nós'
    Equipe de resgate do Brasil continua em Moçambique após novo ciclone
    Comandante da Força Aérea sueca rotula Gripen E de 'assassino' de caças russos
    Tags:
    avião de assalto, avião de ataque, avião de combate, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar