13:31 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Colheita de soja no Brasil (imagem referencial)

    Governo Bolsonaro libera 152 novos agrotóxicos em seus 100 primeiros dias

    Fotos Públicas / Palácio Piratini / Camila Domingues
    Brasil
    URL curta
    15111

    Desde que Jair Bolsonaro (PSL) assumiu a presidência, 152 novos agrotóxicos já foram aprovados. É o ritmo mais intenso de aprovação destes produtos nos 100 primeiros dias do ano desde 2010, segundo o Greenpeace.

    Dos novos produtos que foram liberados, 28% deles já foram banidos ou não são permitidos na União Europeia, que tem uma legislação mais dura para tratar dos defensivos agrícolas. Mais uma vez, o levantamento é do Greenpeace e pode ser conferido no link.

    A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, falou sobre os novos produtos em audiência pública na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados. A ex-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, organização que reúne a bancada ruralista no Congresso, disse que muitos dos problemas ligados aos agrotóxicos acontecem porque os agricultores não utilizam os equipamentos de proteção de maneira correta.

    Cristina também falou sobre o glifosato, agrotóxico classificado como potencialmente cancerígeno para humanos pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer. Segundo a ministra, para o glifosato ser abandonado é necessário encontrar um substituto.

    A Sputnik Brasil entrevistou dois especialistas para entender o atual quadro dos agrotóxicos no Brasil.

    Segundo José Eduardo Wanderley Cavalcanti, fundador e diretor da empresa Ambiental do Brasil, existem muitas "informações desencontradas" sobre o uso de pesticidas. Cavalcanti defende que grande parte dos produtos liberados são extensões de agrotóxicos que já eram utilizados.

    Ele diz que os agrotóxicos estavam "represados" nas administrações anteriores e que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é lenta em suas análises dos produtos.

    Para Cavalcanti, a discussão sobre os riscos cancerígenos do glifosato é uma questão "superada".

    Já o engenheiro agrônomo Warwick Manfrinato analisa que Bolsonaro focou em "resolver problemas do setor agrícola" e "abriu a torneira de processos" de liberação de agrotóxicos.

    Sobre casos de alimentos que chegam contaminados à mesa dos brasileiros, Manfrinato diz que estes casos mostram que há falhas nos órgãos de fiscalização.

    "As notícias de que estamos recebendo no Brasil de que um grande número de alimentos estão chegando contaminados à mesa não é, obviamente, culpa do produto químico, mas é da cadeia, da sequência de responsabilidades que nós temos que observar."

    O engenheiro agrônomo ressalta que o Brasil precisa "ponderar" seu uso de pesticidas porque pode perder mercados no exterior por conta do uso intensivo de agrotóxicos.

    Segundo a pesquisa de doutorado da professora da USP Larissa Bombardi, 30% de todos os agrotóxicos permitidos no Brasil são proibidos na União Europeia. Além disso, dois dos produtos mais vendidos no Brasil são banidos na UE.

    Mais:

    Bolsonaro cumprimenta Netanyahu por reeleição
    Bolsonaro anuncia 13º salário para o Bolsa Família
    Por apoio dos evangélicos, Bolsonaro viaja para almoço com Malafaia e 100 pastores
    Queda de braço entre Bolsonaro e Mourão decidirá posição do Brasil sobre Venezuela
    Tags:
    Anvisa, Jair Bolsonaro, Tereza Cristina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar