11:41 16 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Exército faz operação na favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, zona norte do Rio de Janeiro.

    10 militares envolvidos em fuzilamento no RJ são presos; porta-voz de Bolsonaro comenta

    © Foto : Tomaz Silva/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    12123

    O Comando Militar do Leste anunciou nesta segunda-feira (8) que 10 dos 12 militares que participaram da ação que metralhou e matou Evaldo Rosa dos Santos, de 51 anos, foram afastados e presos em flagrante.

    No domingo, os militares atiraram 80 vezes contra o carro do músico Evaldo Rosa dos Santos. A esposa da Evaldo, seu filho, uma afiliada e o seu sogro, Sérgio Gonçalves de Araújo, estavam no veículo. Sérgio foi ferido por um tiro. Eles estavam a caminho de um chá de bebê.

    Segundo o Comando Militar do Leste, houve uma "inconsistências dos fatos reportados". No domingo, o Exército havia afirmado que os militares reagiram a "injusta agressão".

    Os envolvidos que participaram da ação serão julgados pela justiça militar. Desde 2017, militares que cometem crimes no exercício da função não são mais julgados pela justiça comum. A mudança ocorreu após o então presidente Michel Temer sancionar a lei 13.491.

    A esposa de Evaldo, Luciana dos Santos Nogueira, disse que os militares não ajudaram no socorro do músico e "ficaram de deboche".

    O presidente Jair Bolsonaro (PSL) não comentou o caso. Já o porta-voz do Palácio do Planalto, Otávio do Rêgo Barros, falou sobre o assunto:

    "Ele [Bolsonaro] não comentou, mas confia na Justiça Militar, nos esclarecimentos que o Exército dará por meio do inquérito e espera que eventos de igual similitude não venham a ocorrer." 

    Mais:

    Câmara do Rio abre processo de impeachment contra Crivella
    Milhares marcham contra comemorações da ditadura militar no Rio de Janeiro
    Exército fuzila carro e mata homem no RJ
    Presidente do Uruguai afasta comandante do Exército por encobrimento de crimes da ditadura
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar