11:04 16 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    26426
    Nos siga no

    Na noite da quarta-feira (28), uma comentarista anunciou que o presidente do Brasil decidiu demitir o ministro da Educação, adicionando que o Palácio do Planalto concluiu que "não dá mais" para ter um MEC falho.

    Jair Bolsonaro se apressou para dizer que a notícia é falsa, ganhando apoio de milhares de brasileiros.

    De acordo com a comentarista Eliane Cantanhêde do Globonews Em Pauta, a "demissão" de Ricardo Vélez Rodríguez, ministro da Educação do Brasil, é resultado da insatisfação do Palácio do Planalto com a queda de 12 funcionários do ministério e com os seis recuos em apenas três meses. A jornalista adiciona que o ministro "não tem comando sobre a pasta, não sabe o que está acontecendo e isso está causando muito desgaste ao próprio governo e ao próprio presidente".

    ​Jair Bolsonaro não perdeu tempo e anunciou que não pensa em demitir ninguém, classificando a informação como "fake news" e dizendo que a mídia cria narrativas de que ele não governa e que ele é atrapalhado.

    ​O chefe do MEC decidiu também se pronunciar quanto à informação sobre "demissão", dizendo que "o jornalismo brasileiro está raivoso".

    ​O tweet de Bolsonaro em que ele lamenta sofrer "fake news diárias" já foi curtido por mais de 40 mil pessoas, que ocasionaram surgimento da hashtag #GloboFakeNews, que está no topo dos assuntos mais comentados com mais de 45 mil tweets no momento da publicação dessa matéria.

    ​Há quem acredite que Bolsonaro use o Twitter para desmentir notícias falsas.

    ​Teve quem desse uma notícia urgente um tanto diferente da dada pela comentarista.

    Mais:

    Maia pede paz a Bolsonaro: 'Daqui para frente, eu não respondo mais nenhuma gracinha'
    Bolsonaro cancela visita em universidade para evitar protestos dos estudantes (VÍDEO)
    Alerta na Amazônia: governo Bolsonaro considera construção de novas hidrelétricas
    Tags:
    fake news, Twitter, presidente, demissão, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar