06:25 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Cerimônia de diplomação do presidente eleito, Jair Bolsonaro, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    Internação de Bolsonaro custará R$ 400 mil aos cofres públicos, diz jornal

    © Foto / Valter Campanato/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    243
    Nos siga no

    O período de 17 dias em que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL) permaneceu internado em São Paulo no hospital Albert Einstein terá custo de R$ 400 mil, segundo divulgado pelo jornal Folha de São Paulo. Segundo a informação repassada ao jornal pela assessoria de imprensa do Palácio do Planalto, o valor será pago nos próximos dias.

    O órgão responsável pelo repasse ao Albert Einstein será o Hospital das Forças Armadas (HFA) que deve ter o valor ressarcido pela Presidência da República.

    O Planalto dispões de R$ 333,3 milhões destinados a despesas discricionárias da Presidência. Os valores pagos pelo período de internação serão descontados desta cifra.

    Já os valores destinados ao pagamento dos médicos que realizaram a cirurgia não foram divulgados pelo Eistein. No entanto, segundo a Folha de São Paulo, os médicos abrirão mão do pagamento. A equipe que tratou Bolsonaro, liderada pelo cirurgião Antônio Luiz Macedo, é uma das mais conceituadas do país.

    O Planalto dispõe de um convênio com o HFA, porém o contrato anual estipula valor menor do que o gasto com Bolsonato, um total de R$ 240 mil anuais. Apesar de que o contrato pode ser reajustado, o governo optou por ressarcir o hospital no pagamento ao Einstein. 

    Bolsonaro é o terceiro presidente a passar por cirurgia durante o mandato. Antes dele, João Figueiredo teve o coração operado em 1982, em Cleveland, nos EUA. Já Michel Temer realizou uma cirurgia de desobstrução da uretra, em 2017, no hospital Sírio-Libanês. Segundo a reportagem da Folha, não há registros dos gastos com Figueiredo, enquanto Michel Temer teria pago os custos da cirurgia através de um convênio particular.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar