23:22 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Moradores observam lama depois que uma barragem de propriedade da mineradora brasileira Vale SA explodiu, em Brumadinho

    Bombeiros acionam alarme de emergência por risco de novo rompimento de barragem

    © AFP 2019/ Mauro Pimentel
    Brasil
    URL curta
    Mar de lama varre Brumadinho após explosão de barragem (56)
    861
    Nos siga no

    Os bombeiros de Brumadinho acionaram hoje (27) às 5h30 o alarme de emergência na região da Mina Córrego do Feijão devido ao risco de rompimento de uma nova barragem.

    Segundo os bombeiros, na região foi detectado o aumento dos níveis de água nos instrumentos que monitoram a barragem VI que faz parte do complexo de Brumadinho, informou o portal G1.

    As autoridades já foram avisadas. A população local está deixando suas casas em direção à parte mais alta. Policiais ajudam a orientar a moradores locais.

    A operação de resgate foi temporariamente interrompida por risco do rompimento.

    No início da tarde de 25 de janeiro, a barragem 1 da Mina Córrego do Feijão em Brumadinho, Minas Gerais, se rompeu e despejou 12 milhões de metros cúbicos de lama na cidade, destruindo casas ao redor e a área administrativa da mineradora Vale.

    Aproximadamente 300 pessoas estavam trabalhando na barragem de detritos da mina, quando esta se rompeu e devastou a instalação e várias residências nas proximidades, comunicou previamente Fabio Schvarstman, presidente da companhia Vale, que é responsável pelo acidente.     

    Segundo os dados preliminares, o incidente causou 40 mortos e 250 desaparecidos. As buscas estão prosseguindo. Já foram resgatadas 366 pessoas.

    Tema:
    Mar de lama varre Brumadinho após explosão de barragem (56)

    Mais:

    Putin presta condolências a Bolsonaro pela tragédia em Brumadinho
    Organização prevê que resgate de todos os corpos em Brumadinho é pouco provável
    Tags:
    rompimento de barragem, incidente, emergência, Brumadinho, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar