19:42 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Marielle Franco, vereadora pelo PSOL, assassinada na noite do dia 14 de março

    Ligado a Flávio Bolsonaro, major da PM e suspeitos da morte de Marielle são presos no Rio

    © Foto : Mário Vasconcellos/CMRJ
    Brasil
    URL curta
    384216

    Uma operação comandada pelo Ministério Público e da Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu na manhã desta terça-feira cinco suspeitos de integrar uma milícia envolvida com grilagem de terras na zona oeste da cidade. Há a suspeita de que alguns dos detidos tenham ligação com o assassinato da vereadora Marielle Franco, em março do ano passado.

    Segundo a força-tarefa do MP-RJ e policiais civis, os milicianos detidos são suspeitos de comprar e vender imóveis erguidos irregularmente em áreas de ação do grupo, como as comunidades de Rio das Pedras, Muzema e adjacências, praticando ainda crimes como extorsão, agiotagem, pagamento e propinas e ligações irregulares de energia e água.

    Entre os presos está o major da Polícia Militar Ronald Paulo Alves Pereira, conhecido como Major Ronald ou Tartaruga. De acordo com os investigadores, ele é o chefe da milícia da Muzema e grileiro nas regiões de Vargem Grande e Vargem Pequena, grupo também conhecido como Escritório do Crime.

    Major Ronald foi homenageado em 2004 pelo então deputado estadual Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, com uma moção de louvor. Um ano antes, o ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) Adriano Magalhães da Nóbrega, o Capitão Adriano ou Gordinho, recebeu a mesma homenagem de Flávio, que chegou a empregar a mãe e mulher do ex-policial militar em seu gabinete, segundo o jornal O Globo.

    Capitão Adriano é um dos oito foragidos que estão sendo procurados por envolvimento com o Escritório do Crime, a mais antiga e perigosa milícia do Rio. Ele é tido, ao lado de Major Ronald e do também detido Maurício Silva da Costa, o Tenente Maurição, como o chefe da organização criminosa.

    Foram também presos nesta terça-feira Laerte Silva de Lima; Manoel de Brito Batista, o Cabelo; e Benedito Aurélio Ferreira Carvalho, o Aurélio.

    As apurações apontam que os três ex-PMs e o presidente da Associação de Moradores de Rio das Pedras, Jorge Alberto Moreth, o Beto Bomba, comandam o esquema. O último teria assumido o comando da associação por meio do uso da força e de ameaças, e a mesma entidade seria o centro das transações ilegais de compra e venda de imóveis na área grilada, cuidando da parte burocrática e documental do esquema. Além disso, Beto Bomba teria acesso a informações privilegiadas sobre operações policiais na área.

    Outro negócio do Escritório do Crime seria o assassinato por encomenda, e os principais clientes são políticos e outras organizações criminosas. A atuação de Marielle Franco junto a moradores vítimas da milícia na zona oeste do Rio é a principal linha de investigação da polícia para o assassinato da vereadora e do seu motorista, Anderson Gomes, em março do ano passado. Há a suspeita do envolvimento de outros parlamentares do crime.

    Mais:

    Anistia Internacional: demora na investigação do caso Marielle é 'inaceitável'
    Witzel: Caso Marielle está perto de um desfecho
    Caso Marielle: Jungmann defende que investigação fique com autoridades do Rio
    Tags:
    assassinatos, grilagem, milícia, Escritório do Crime, BOPE, Ministério Público do Rio de Janeiro, Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, Maurício Silva da Costa, Adriano Magalhães da Nóbrega, Ronald Paulo Alves Pereira, Anderson Gomes, Marielle Franco, Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro, Muzema, Rio de Janeiro, Rio das Pedras, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar