11:03 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    O deputado Jair Bolsonaro fala à imprensa sobre o requerimento que fez ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar pedindo sua convocação para prestar esclarecimentos sobre as declarações que fez em um programa de TV

    Deputados do PSL vão à China e irritam 'guru' de Bolsonaro, Olavo de Carvalho (VÍDEO)

    © Foto : Renato Araújo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    16115

    Um grupo de 20 parlamentares que assumem seus mandatos em fevereiro no Congresso Nacional causou a ira de Olavo de Carvalho, astrólogo, filósofo e guru do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Eles estão na China, atendendo a uma convite do Partido Comunista chinês, algo que Carvalho classificou como um ato de "semianalfabetos".

    "Vocês estão fazendo uma loucura, estão entregando o Brasil a China!", disse em vídeo publicado em seu canal no YouTube. "E eu sou guru dessa porcaria? Eu não sou guru de merda nenhuma!", acrescentou ele, que é uma influência para várias propostas de Bolsonaro, incluindo a indicação de ministros de Estado.

    Na comitiva dos parlamentares há 12 filiados ao PSL, partido de Bolsonaro. Oficialmente, a viagem integra uma iniciativa em torno de um projeto de lei que será apresentado ainda no primeiro semestre. A proposta determina a implantação de tecnologia de reconhecimento facial em locais públicos nas cidades brasileiras.

    Segundo os parlamentares envolvidos na viagem, o objetivo é facilitar o trabalho dos órgãos de segurança pública no combate ao crime, inclusive na captura de suspeitos e foragidos da justiça. Além disso, o projeto-piloto seria introduzido no Rio de Janeiro, de acordo com os congressistas.

    "Pretendemos dar um choque de segurança pública nas cidades com a ajuda da tecnologia e experiência chinesa. Vamos conhecer o quartel-general de onde é operado esse sistema, assim como empresas que dominam a tecnologia", revelou ao UOL o deputado eleito Felício Laterça (PSL-RJ), um dos líderes da iniciativa.

    Entretanto, Carvalho considera que os planos dos chineses são muito diferentes.

    "Instalar esse sistema nos aeroportos brasileiros é entregar ao governo chinês as informações sobre todo mundo que mora no Brasil. Especialmente, alguns refugiados chineses que estejam aí. A partir da hora que esse negócio for instalado, esses refugiados chineses podem se considerar mortos", atacou o filósofo.

    Participam da comitiva a senadora eleita Soraya Thronicke, os deputados eleitos Carla Zambelli, Daniel Silveira, Tio Trutis, Felício Laterça,  Bibo Nunes, Charlles Evangelista, Marcelo Freitas, Sargento Gurgel e Aline Sleutjes, a deputada estadual Delegada Sheila (PSL-MG), todos do PSL, e Luís Miranda, do DEM.

    Todos foram muito questionados nas redes sociais. O humorista e apresentador Danilo Gentili, conhecida figura de direita, também criticou a ida dos parlamentares à China.

    Parlamentares se defendem

    Figura da linha de frente pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), a deputada eleita Carla Zambelli (PSL) defendeu a viagem, declarando ser mais brasileira que "muita gente"

    "Aliás, eu vivo no Brasil, eu moro no Brasil. Diferente de pessoas que estão nos criticando e moram há anos e anos fora do Brasil", rebateu em um vídeo posteriormente apagado por ela. Ela ainda descartou retornar ao Brasil antes do fim da viagem, descartando o pedido do guru de Bolsonaro.

    "O ministro [da Economia] Paulo Guedes estará com o embaixador da China hoje e tivemos em 2018 um superávit de U$36 bilhões. Pedir para eu ir embora é o mesmo que pedir que um problema diplomático aconteça", sentenciou.

    Por outro lado, o deputado eleito Luís Miranda não foi tão dócil com as críticas de Carvalho, ironizando até mesmo um dos livros do filósofo que hoje alimenta o pensamento de direita no país.

    "O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota: Brasil e China são parceiros de negócios a mais de 40 anos, e nos últimos 9 foi a nossa maior importadora", afirmou.

    Visualizar esta foto no Instagram.

    O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota: Brasil e China são parceiros de negócios a mais de 40 anos, e nos últimos 9 foi a nossa maior importadora. Em 2018 ultrapassamos mais de 100 BILHÕES de dólares em negócios, e a balança comercial tem sido favorável pra nós. A China comprou dos brasileiros mais de 65 bilhões, enquanto o Brasil comprou deles apenas 35 bi. Também lançamos juntos 4 satélites, por onde trafegam os dados de todos os brasileiros. O principal parceiro econômico da China é os EUA, mas o nosso é a China. Se alguém consegue trazer hoje para o nosso país um parceiro melhor, por favor, apresente. Quem é que banca uma retirada da China do nosso mercado? Os “caipiras” aqui têm muito o que aprender com eles. Entre mitos e verdades, gurus ideológicos dizem que combatem a ideologia, mas só ficam na teoria, já nós estamos preocupados com a economia!

    Uma publicação compartilhada por Luis Miranda USA (@luismirandausa) em 17 de Jan, 2019 às 2:29 PST

    Outro a se defender foi Daniel Silveira. Conhecido por ter quebrado a placa da vereadora assassinada Marielle Franco, ele declarou no Facebook que a viagem bancada por Pequim acontece "sem nenhuma contrapartida ideológica. O intercâmbio é técnico".

    Já Charlles Evangelista comentou que a questão do turismo também está na pauta da comitiva.

    Visualizar esta foto no Instagram.

    NOTA DE ESCLARECIMENTO.

    Uma publicação compartilhada por Charlles Evangelista (@charlles.evangelista) em 16 de Jan, 2019 às 6:23 PST

    Ao G1, o presidente do PSL, Luciano Bivar, declarou que Bolsonaro teria ficado "surpreso" com a viagem da comitiva à China. O próprio Bivar mencionou que recusou o convite dos chineses, e mencionou que o presidente brasileiro gostaria de visitar Pequim, em uma data ainda a ser marcada pelos dois países.

    "Falei por telefone com o presidente Bolsonaro e ele me disse: 'Poxa, Bivar, o pessoal precisa saber que existe uma responsabilidade em ser do PSL, que somos vidraças, que tudo reverbera em cima de nós'", comentou Bivar.

    Sistema polêmico

    A China é considerado o país mais avançado do mundo na utilização de sistemas de monitoramento por câmeras. São 170 milhões de câmeras espalhadas pela nação para vigilância e reconhecimento facial. Pelo sistema, é possível fazer associação entre os rostos de pessoas com qualquer informação registrada, como documentos, parentes, rotas frequentes, dados profissionais, entre outros.

    Contudo, os críticos do sistema afirmam que o Partido Comunista chinês utilizaria o sistema moderno para conseguir manter um amplo controle social sobre os seus cidadãos, vigiando-os sem que percebam ou tenham cometido qualquer ilícito. O governo nega tais alegações.

    Mais:

    Moscou não vê motivos para o Brasil de Bolsonaro desempenhar papel destrutivo no BRICS
    Presidente da China elogia Bolsonaro em carta
    Para Bolsonaro seria 'grande suicídio' se afastar da China, segundo economista
    Tags:
    relações bilaterais, política, câmeras, monitoramento, diplomacia, segurança, espionagem, Partido Comunista Chinês, Partido Social Liberal (PSL), Danilo Gentili, Luís Miranda, Charlles Evangelista, Felício Laterça, Luciano Bivar, Daniel Silveira, Carla Zambelli, Jair Bolsonaro, Olavo de Carvalho, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar