15:19 22 Fevereiro 2019
Ouvir Rádio
    Os líderes russo, sul-africano, indiano, chinês e brasileiro na reunião multilateral durante a IX cúpula dos BRICS e, Xiamen, em 4 de setembro de 2017

    Moscou não vê motivos para o Brasil de Bolsonaro desempenhar papel destrutivo no BRICS

    © Sputnik / Grigory Sysoev
    Brasil
    URL curta
    15455

    Nesta quarta-feira (16), no decorrer da coletiva de imprensa, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, entre outros assuntos, comentou o futuro do grupo BRICS em conexão com a chegada de Jair Bolsonaro (PSL) à presidência brasileira.

    Segundo o chanceler russo, Jair Bolsonaro, em contatos com representantes russos confirmou a continuidade da linha nas relações com Moscou no âmbito do BRICS. 

    "O presidente Bolsonaro entrou em contato com nossos representantes, inclusive com o nosso representante em sua cerimônia de posse, o representante da Duma de Estado [câmara baixa do parlamento russo], Volodin. Ele confirmou seu curso de continuidade nas relações com a Rússia, e sua disposição de participar do desenvolvimento do BRICS", apontou Lavrov.

    O chanceler russo apontou que o Brasil já começou sua presidência no BRICS.

    "Literalmente nestes dias, os colegas brasileiros nos deram a conhecer o plano de sua presidência, com os prazos de realização das reuniões ministeriais, da cúpula e do programa que eles propõem aos participantes desta união", afirmou.

    De acordo com Lavrov, Moscou não vê motivos, com o novo presidente, para o Brasil desempenhar um papel destrutivo no bloco.

    "Não vejo nenhuns motivos para supor que o Brasil irá desempenhar um papel destrutivo no BRICS. Ao contrário, eles [os colegas brasileiros] nos asseguram que esse bloco, essa união, é uma das prioridades da política externa do Brasil", ressaltou o ministro.

    Com a chegada de Jair Bolsonaro ao poder, surgiram incertezas quanto às vias da política externa do novo governo. Entre elas, devido às indicações de um maior alinhamento com os Estados Unidos, e a União Europeia, vários analistas levantam questões sobre o futuro do Brasil no bloco BRICS. 

    Entretanto, o novo presidente ainda não se pronunciou oficialmente sobre a postura quanto ao grupo. 

    O Brasil assume a presidência rotativa do BRICS em 2019 e deve organizar sua próxima reunião de cúpula.

    Mais:

    BRICS na era Bolsonaro: Temer revela 'inquietação' de Rússia, China, Índia e África do Sul
    BRICS criticam protecionismo e falam em 'plena implementação' do Acordo de Paris
    Se Bolsonaro afastar o Brasil do BRICS, prejudicará o país, alerta presidente sul-africano
    Tags:
    BRICS, Jair Bolsonaro, Sergei Lavrov, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik