17:15 26 Março 2019
Ouvir Rádio
    O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) posa ao lado de seu futuro ministro das Relações Exteriores, o embaixador Ernesto Araújo.

    Bolsonaro defende saída de pacto migratório: 'Não é qualquer um que entra em nossa casa'

    © Reprodução
    Brasil
    URL curta
    18179

    O presidente Jair Bolsonaro (PSL) reagiu às críticas que o seu governo vem recebendo nas últimas horas, desde que foi anunciada a saída do Brasil do pacto migratório da ONU, na última terça-feira.

    Em uma série de tweets divulgada nesta quarta-feira, o presidente destacou a soberania brasileira que pode, por si só, definir quem pode entrar ou não no país. Bolsonaro indicou que estaria existindo uma “imigração indiscriminada”.

    O ex-capitão do Exército Brasileiro destacou ainda que o país quer definir por conta própria as suas regras migratórias, “sem pressão do exterior”.

    A decisão do governo Bolsonaro já havia sido adiantada no mês passado pelo ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Um dia após o Brasil assinar o acordo para lidar com o aumento da migração no mundo, na gestão de Michel Temer, o então futuro chanceler indicou que a sua ideia era tirar o país do compromisso.

    Araújo destacou que o acordo internacional era "um instrumento inadequado" para abordar a questão e que os países deveriam estabelecer suas próprias políticas – um discurso agora reforçado por Bolsonaro.

    A posição brasileira, porém, não deve afetar os refugiados venezuelanos por enquanto. Tanto Araújo quanto Bolsonaro declararam que o Brasil seguirá recebendo aqueles que fogem do país caribenho, porém o chanceler reafirmou que o foco é "restabelecer a democracia" em Caracas.

    Segundo especialistas, há um temor de que a saída do Brasil do pacto de migração seja apenas a primeira de muitas medidas do governo Bolsonaro que poderão rever a posição brasileira junto à ONU em temas como cooperação internacional e direitos humanos.

    Com um recorde de 21,3 milhões de refugiados em todo o mundo, a ONU começou a trabalhar no acordo não vinculativo depois que mais de 1 milhão de pessoas chegaram à Europa em 2015, muitas delas fugindo da guerra civil em Síria e pobreza na África.

    O acordo, que trata de questões como proteger os migrantes, integrá-los ou enviá-los de volta ao seu país, tem sido criticado principalmente pelos EUA e por políticos europeus de direita – elogiados por Bolsonaro, líderes da Hungria e Polônia integram a lista –, que dizem que a imigração pode aumentar.

    Os membros da ONU - exceto os Estados Unidos - aceitaram a redação em julho, mas apenas 164 de 193, incluindo o Brasil, formalmente a ratificaram no Marrocos.

    Mais:

    Chanceler rebate ideia de ministro de Bolsonaro de tirar Brasil de pacto migratório
    Brasil se alinha aos EUA ao anunciar saída do Pacto Global de Migração, diz especialista
    Bolsonaro volta a mencionar intenção de retirar Brasil do pacto de migrações
    Tags:
    multilateralismo, cooperação, soberania, direitos humanos, migração, pacto pela migração, ONU, Ernesto Araújo, Jair Bolsonaro, Polônia, Hungria, Venezuela, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar