09:01 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Temer é convidado de Trump para jantar em Washigton que vai discutir crise na Venezuela

    Temer chega com 'restrição' a um G20 'obsoleto', avaliam especialistas

    Beto Barata/PR/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    5151

    O presidente Michel Temer chegou na noite de quinta-feira (29) a Buenos Aires para participar da Cúpula de Líderes do G20 (que reúne as 19 maiores economias do mundo e mais a União Europeia). Especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil traçam a expectativa da participação do presidente brasileiro no evento.

    A cúpula reunirá líderes das principais potências mundiais, como Estados Unidos, China, Alemanha, Rússia, entre outros. Além de sessões plenárias com os demais chefes de Estado do grupo, o presidente Temer tem agendas reservadas com os primeiros-ministros da Austrália, Scott Morrison, e de Singapura, Lee Hsien Loong.

    Temer participa pela última vez da cúpula como presidente do país. Para o professor da Universidade Mackenzie, Arnaldo Francisco Cardoso, isso faz com que Temer chegue ao G20 ocupando um papel de menor destaque e sem poder de decisão.

    "Temer vai fazer essa participação [no G20], mas com bastante restrição em termos de capacidade de decisão, é verdade que nós temos observado uma coisa singular que o restinho do mandato do presidente Temer está servindo para planificar, principalmente na arena internacional, o que tem sido anunciado como agenda do futuro governo", disse.

    Arnaldo Francisco Cardoso acredita que Temer vai se posicionar com cautela durante as reuniões e vai evitar romper com as linhas tradicionais da política externa brasileira.

    "O que deve nortear a política externa é a busca do interesse nacional e nesse sentido o Brasil tem bastante bem demarcado quais são esses seus interesses na arena internacional", completou.

    A cúpula ocorre entre esta sexta-feira (30) e sábado (1º). O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), assumirá a Presidência durante a viagem de Temer.

    Apesar das atenções do mundo estarem voltadas para Buenos Aires, a cúpula do G20 não tem a mesma importância do que nos anos anteriores. Segundo Antônio Gelis, especialista em Geopolítica e Estratégia Internacional e professor da Fundação Getúlio Vargas, o grupo "pertence a um momento geopolítico que já passou".

    "O G20 hoje é um evento diplomático, é um evento midiático, mas o que tem alguma importância diplomática é o G3, que é uma instituição que não está organizada, mas deveria estar juntando as 3 maiores potências geopolíticas do planeta: China, Rússia e EUA. Portanto o que nós assistiremos é um fóssil ainda vivo desse momento geopolítico terminado", disse.

    Na avaliação de Gelis, o que vamos assistir nos próximos anos é a prevalência de acordos bilaterais em detrimento de decisões tomadas coletivamente em reuniões de grupos de países organizados.

    O G20 reúne, além dos sete países mais ricos e as 13 economias emergentes (como China, Rússia, Índia e Brasil), representantes de organizações multilaterais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial. Cerca de 85% do produto bruto global e dois terços da população do planeta estão representados pelo grupo.

    Tags:
    obsoleto, G20, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik