07:57 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Lucia Topolansky, vice-presidente do Uruguai

    Bolsonaro não é bobo de deixar o Mercosul de lado, afirma vice-presidente do Uruguai

    © AP Photo / Matilde Campodonico
    Brasil
    URL curta
    1498

    Embora eu não goste do presidente eleito do Brasil Jair Bolsonaro (PSL), espero que ele faça bem para o futuro do povo brasileiro, disse a vice-presidente do Uruguai, Lucia Topolansky, em entrevista exclusiva à Sputnik neste sábado.

    "Embora Bolsonaro não é santo da minha devoção, espero que faça o bem para o povo brasileiro. Além disso, deve ser respeitado porque as pessoas o elegeram presidente legitimamente", afirmou a autoridade uruguaia.

    Jair Bolsonaro coloca seu voto no segundo turno das presidenciais no Brasil, em 28 de outubro de 2018
    © REUTERS / Ricardo Moraes/Pool

    Segundo suas palavras, embora não goste do presidente eleito de direita, as eleições no Brasil ocorreram sem objeções ou reclamações por parte dos partidos que perderam.

    "Se as pessoas, no exercício de sua autodeterminação e soberania, algo que eu respeito muito, escolheram Bolsonaro, caso errem, serão os brasileiros que terão que resolver isso", acrescentou.

    No que diz respeito à assunção de líder do PSL poderia mudar a relação do Mercado Comum do Sul (Mercosul) com a Rússia ou a China, a vice-presidente disse que não vai acontecer porque "Bolsonaro não é estúpido."

    "O Brasil precisa do Mercosul comercialmente, não acredito que nenhum presidente destrua um acordo que tenha funcionado. Além disso, acho que Bolsonaro não é bobo", avaliou.

    No domingo passado, o futuro ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, disse em uma entrevista com o jornal argentino Clarín que o Mercosul "não é uma prioridade" e que o foco do governo terá como alvo de mercado todo o mundo, o que tem gerado várias reações em todos os países da América do Sul.

    Topolansky assumiu a vice-presidência do Uruguai em 13 de setembro 2017, na sequência da renúncia de Raul Sendic, número 2 do Executivo desde fevereiro de 2015, que deixou seu posto pelas investigações contra ele de abuso de poder e peculato, pelos quais ele foi processado sem prisão em maio deste ano.

    A vice-presidente do Uruguai, de 74 anos, era membro do grupo guerrilheiro Movimento de Libertação Nacional Tupamaros e ficou presa por 13 anos durante a última ditadura militar (1973-1985) no Uruguai.

    Mais:

    Brasil vai doar ao Uruguai 25 blindados de combate, mas Estados Unidos têm que dizer amém
    Erva-mate com maconha: novo produto conquista Uruguai
    Lava Jato: quatro brasileiros são presos no Uruguai por envolvimento com doleiros
    Tags:
    relações bilaterais, comércio, diplomacia, Movimento de Liberação Nacional-Tupamaros (MLN-T), Mercosul, Raul Sendic, Paulo Guedes, Jair Bolsonaro, Lucia Topolansky, América do Sul, Uruguai, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik