10:05 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Carteira de Trabalho e Previdência Social

    Informalidade recorde atinge 43% dos trabalhadores no Brasil, diz IBGE

    Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    560

    Segundo os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), 43% dos brasileiros no mercado de trabalho estão em situação informal.

    Esse é o maior número de empregados nessa situação já medido pelo IBGE desde que a nova metodologia passou a separar trabalhadores autônomos com e sem CNPJ, em 2015.

    Os dados são do trimestre entre junho e setembro, mensurados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). A pesquisa identificou 92,6 milhões brasileiros empregados.

    Michel Temer durante coletiva em Brasília
    © Foto : Valter Campanato/Agência Brasil
    Do total de pessoas no mercado de trabalho, 39,7 milhões de pessoas estavam na informalidade, ou seja, sem carteira assinada.

    Ao todo o número chega a 43% de todo o mercado de trabalho. A informalidade medida pelo IBGE soma pessoas sem registro nos setores público e privado, pessoas que trabalham por conta própria, porém sem CNPJ e também trabalhadores domésticos sem carteira de trabalho. Além disso os dados incluem quem trabalha em família.

    A pesquisa revela também que o desemprego no Brasil, nesse período, chegou a 11,9%, caindo meio ponto percentual desde o trimestre anterior.

    Segundo o Cadastro de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho (Caged), setembro foi o melhor mês em cinco anos no saldo entre trabalhadores demitidos e admitidos. Foram 137.336 postos no saldo mensurado pelo Caged.

    No entanto, o mesmo instituto aponta que a média salarial dos trabalhadores admitidos foi a menor em dez meses. O salário médio é de R$ 1.516,89.

    Segundo o IBGE, dos 39,7 milhões de trabalhadores informais, uma fatia de 11,5 milhões está empregada no setor priovado sem carteira de trabalho e 18,9 milhões trabalham como autônomos sem CNPJ. Outros 4,5 milhões são trabalhadores domésticos sem carteira de trabalho, 2,6 milhões são funcionários públicos sem carteira e mais 2,2 milhões vivem auxiliando a família em trabalho informal.

    Tags:
    informalidade, desemprego, PNAD, Ministério do Trabalho, Caged, IBGE, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik