04:16 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira do PT em manifestação de apoio ao partido, em 16 de agosto de 2015

    Empresários financiam cruzada contra o PT no WhatsApp, diz jornal

    © AFP 2018 / Miguel Schincariol
    Brasil
    URL curta
    20138

    Um grupo de empresários partidários do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) está pagando por "disparos em massa" de mensagens pelo WhatsApp. Cada contrato para este fim chega a custar até R$ 12 milhões. A medida, contudo, é ilegal.

    A informação foi publicada pela Folha de S. Paulo nesta quinta-feira (18).

    A medida é ilegal porque a doação de empresarial para campanhas está proibida por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Outra ilegalidade é o uso de base de dados de terceiros para disparar mensagens — a lei eleitoral permite que os candidatos utilizem apenas suas próprias listas de números.

    Uma das empresas envolvidas no escândalo é a Havan. O proprietário da companhia, contudo, afirmou ao jornal que não sabe o que é disparo em massa.

    Ainda de acordo com a Folha de S. Paulo, uma das empresas contratadas por Bolsonaro para administrar grupos de WhatsApp tem uma estratégia para driblar a legislação brasileira. A AM4, que recebeu R$ 115 mil da campanha do presidenciável do PSL, cria números nos Estados Unidos para burlar as restrições ao tamanho de grupos e filtros de spam impostos pelo aplicativo no Brasil. 

    Mais:

    Ex-líder da KKK elogia Bolsonaro: 'ele soa como nós'
    Travesti é assassinada em SP aos gritos de 'Bolsonaro presidente'
    Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo estão em maus lençóis no Barcelona por apoiar Bolsonaro
    Em encontro com cardeal, Bolsonaro promete 'defender a família' e impedir aborto
    Tags:
    PT, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik