22:06 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Ações de combate ao desmatamento em Pernambuco

    Ecólogos alertam para esgotamento acelerado da riqueza biológica da Mata Atlântica

    CC BY 2.0 / Ministério Público de Pernambuco / Ações de combate ao desmatamento em Pernambuco
    Brasil
    URL curta
    201

    Um dos ecossistemas mais ricos da América do Sul foi reduzido a um décimo do que era antes e o número de espécies de mamíferos que habitam o local despencou pela metade, perdendo aproximadamente 44% dos mamíferos.

    A floresta tropical de imensa riqueza biológica que foi a Mata Atlântica, atualmente é uma das "mais vazias" do mundo, declaram ecólogos em artigo publicado na revista PLOS One, onde cita a atual situação dos mamíferos do ecossistema, que é o segundo mais importante do Brasil depois da floresta Amazônica.

    Sendo um caso igual ao das florestas húmidas da bacia do rio Amazonas, no qual a redução da biodiversidade nas regiões mais próximas do litoral sudeste do Brasil está relacionada ao crescente desmatamento. A superfície das matas atlânticas pode ser encontrada em 10% do território original, que correspondia a 1,1 milhão de km², e hoje corresponde a apenas 143 mil km².

    Diante da situação, todas as grandes e médias espécies de mamíferos estão expostas à ameaça de extinção. Ecólogos compararam os registros da biodiversidade publicados nos últimos 30 anos com os dados referenciais dos tempos do Brasil colonial, o resultado não foi dos mais otimistas já que mais da metade das espécies de mamíferos da floresta deixaram de existir, desde o período colonial.

    O motivo dessa grande perda tem sido as diversas atividades humanas, como o desmatamento, a agricultura e a caça. Os animais mais vulneráveis são os superpredadores e os grandes carnívoros como onças-pintadas e suçuaranas, assim como os grandes herbívoros, como os tapires.

    Atualmente, "a diversidade de mamíferos da outrora majestosa Mata Atlântica foi reduzida em grande parte a uma sombra pálida de seu antigo eu", sem contar a falta habitat aos animais, o que deixa os animais encurralados em um vórtice aberto de extinção, declarou o ecólogo brasileiro, Juliano André Bogoni, o primeiro autor do estudo, ao site da Universidade de Anglia Oriental, no Reino Unido, que também participou do estudo.

    Mais:

    Noruega diz que, se desmatamento na Amazônia cair, repassará mais recursos ao Brasil
    Sem Trump e com desmatamento na Amazônia: Mercosul e UE querem cumprir Acordo de Paris
    Tags:
    estudos, espécies, extinção, desmatamento, Mata Atlântica, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik