07:41 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Migrantes venezuelanos seguram de cartazes à procura de trabalho na cidade brasileira de Boa Vista, estado de Roraima, outubro de 2017.

    Cerca de 1,2 mil venezuelanos saíram do Brasil após violência

    © Foto : UNODC
    Brasil
    URL curta
    14514

    Cerca de 1,2 mil venezuelanos cruzaram de volta a fronteira do país com o Brasil, após os incidentes em Pacaraima, em Roraima, quando moradores da cidade atacaram barracas e abrigos dos imigrantes.

    Alguns moradores de Pacaraima, neste sábado atacaram os imigrantes, inclusive ateando fogo às suas barracas. O assalto de um comerciante local teria iniciado a reação violenta dos residentes da cidade.

    As autoridades locais afirmaram não haver registro de venezuelanos feridos.

    O comerciante brasileiro que sofreu uma tentativa de assalto, supostamente por um grupo de venezuelanos, permanece internado em Boa Vista, e seu estado de saúde é estável.

    As famílias venezuelanas que decidiram retornar ao país natal conseguiram atravessar a fronteira em segurança e com a integridade física garantida, informou o Exército.

    "As Forças Armadas vão continuar cumprindo sua missão na área de fronteira com a Operação Acolhida e a Operação Controle, tanto em ação humanitária quanto em prevenção e combate a ilícitos transfronteiriços. Trabalham em prol da sociedade brasileira e repudiam atos de vandalismo e violência contra qualquer cidadão, independentemente de sua nacionalidade", afirmou o Exército, em nota.

    Venezuela se pronunciou sobre os incidentes e pediu que o governo brasileiro garanta a segurança de seus cidadãos.

    O Ministério da Segurança Pública já confirmou o envio de um efetivo extra de 60 homens da Força Nacional para Pacaraima, informou Agência Brasil. 

    Mais:

    Peru vai dificultar entrada de venezuelanos em meio à crise de imigração
    Justiça fecha fronteira para venezuelanos em Roraima
    Refugiados venezuelanos ganham fôlego com novo centro em Roraima, aponta ACNUR
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik