12:29 14 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Lula e Fernando Haddad em comício durante a campanha eleitoral de 2016

    Manuela D'Ávila será vice de Lula e Haddad o substituto se necessário, diz agência

    © Foto : Ricardo Stuckert
    Brasil
    URL curta
    2632

    O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, será o candidato presidencial do Partido dos Trabalhadores (PT) se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva for impedido de concorrer na eleição de outubro, disse uma fonte do partido nesta sexta-feira à Agência Reuters.

    Se Lula for capaz de concorrer, Manuela D'Ávila, candidata à presidência do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), abandonará sua candidatura ao cargo de vice-presidente e se tornará sua candidata a vice-presidente, segundo a mesma fonte, que está próxima das negociações.

    De acordo com a agência, Haddad viajou nesta sexta-feira a Curitiba com a presidente do PT, a senadora Gleisi Hoffmann (PR), para tratar do acordo com Lula, que está preso desde abril na Superintendência da Polícia Federal na capital paranaense, condenado a 12 anos e 1 mês de prisão na Operação Lava Jato.

    Oficialmente, o PCdoB anunciou a candidatura presidencial de Manuela na última quarta-feira, mas estaria inclinado a fechar com o PT – um parceiro histórico –, caso o posto de vice na chapa fique com o partido.

    Haddad seria o plano B do PT, caso a candidatura de Lula seja impugnada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) quando da sua inscrição – cenário este mais provável, com base na Lei da Ficha Limpa. Ainda há a necessidade do aval de Lula para o plano se tornar oficial.

    Mais:

    PGR defende que prisão de Lula seja mantida
    Grupo inicia greve de fome pela liberdade de Lula: 'responsabilidade é do STF'
    Festival Lula Livre reúne 80 mil no Rio de Janeiro
    Tags:
    Operação Lava Jato, corrupção, esquerda, aliança, política, Lei da Ficha Limpa, Eleições 2018, TSE, PCdoB, PT, Manuela D'Ávila, Fernando Haddad, Luiz Inácio Lula da Silva, Curitiba, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik