07:45 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Migrantes venezuelanos seguram de cartazes à procura de trabalho na cidade brasileira de Boa Vista, estado de Roraima, outubro de 2017.

    Refugiados venezuelanos ganham fôlego com novo centro em Roraima, aponta ACNUR

    © Foto : UNODC
    Brasil
    URL curta
    0 0 0

    A instalação do novo centro de acolhimento para imigrantes venezuelanos na cidade brasileira de Pacaraima teve um impacto positivo, disse à Sputnik o porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Luiz Fernando Godinho.

    "Temos a oportunidade de receber pessoas diretamente na fronteira em vez de esperar para que cheguem à Boa Vista, assim o processo é menos confuso e ágil para todos. As Nações Unidas trabalham com o governo brasileiro e as fronteiras permanecem abertas e o saldo do centro é muito positivo", afirmou Godinho.

    O centro de recepção e documentação, inaugurado em 18 de junho em Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, tem como objetivo identificar os recém-chegados, expedir os documentos necessários para sua estada no Brasil e enviá-los a abrigos em Boa Vista.

    Godinho declarou que, devido à saturação das pessoas que vivem no estado de Roraima, em que o primeiro contato são informados do 'Programa de Interiorização' e que 76% dos imigrantes aceitaram fazer parte dele.

    "O programa oferece novas oportunidades para a integração no país, ou seja, fora de Roraima, que é uma área mais isolada e menos propensa a trabalho, para outros estados; a eles são oferecidos alojamento, alimentação e orientação profissional para serviços em cooperação com as organizações das cidades de destino", informou Godinho.

    Embora não lhes seja garantido um emprego, eles recebem ferramentas para tornar o processo mais favorável, como aulas de português, aconselhamento comportamental em entrevistas de emprego, como escrever um currículo e entrar em contato com empresas que que eles possam estar interessados em trabalhar.

    Questionado sobre o perfil das pessoas que vêm para o centro, porta-voz do ACNUR disse que "há um fluxo misto, muitos vêm em busca de asilo e outros são movidos por pressões econômicas", acrescentando que esta situação tem "muito uma própria dinâmica".

    Ele explicou que uma das realidades entre os recém-chegados são as mulheres grávidas, que, não tendo encontrado a ajuda necessária na Venezuela, decidiram emigrar, embora ele não tenha confirmado o número de pessoas neste caso.

    Em referência a como os civis brasileiros lidariam com o fluxo incessante de imigrantes na fronteira, Godinho relatou que houve casos de solidariedade e rejeição.

    "É muito importante que a população civil entenda que eles [imigrantes venezuelanos] não está aqui por escolha, mas escapou de seu país em busca de uma oportunidade de reconstruir suas vidas. Evidentemente chegada deles tem um impacto sobre a comunidade, mas estamos trabalhando para minimizá-lo", concluiu.

    Mais:

    'Roraima não pode virar um campo de concentração', diz governadora sobre venezuelanos
    Roraima vai ao STF para fechar fronteira com a Venezuela
    Moradores de cidade em Roraima queimam pertences de venezuelanos
    Tags:
    xenofobia, imigrantes, acolhimento, crise na venezuela, refugiados venezuelanos, ONU, ACNUR, Luiz Fernando Godinho, Venezuela, Boa Vista, Roraima, Brasil, Pacaraima
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik