17:41 20 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Deputado Jair Bolsonaro

    Aos gritos de 'mito' e 'eu vim de graça', Bolsonaro é oficializado candidato pelo PSL

    © flickr.com/ Senado Federal
    Brasil
    URL curta
    231718

    Em evento no centro do Rio, o deputado federal Jair Bolsonaro teve oficializada sua candidatura à presidência da República pelo Partido Social Liberal (PSL).

    O candidato foi recebido por milhares de apoiadores enrolados em bandeiras do Brasil e aos gritos de "mito" e "eu vim de graça", segundo o Estadão. Ainda de acordo com o jornal, são esperadas 2.500 pessoas ao longo da convenção.

    Cotada para concorrer como vice na chapa puro-sangue do ex-militar, a advogada Janaína Paschoal, professora da USP e uma das responsáveis pelo parecer jurídico que motivou o impeachment de Dilma Rousseff, foi recebida sob fortes aplausos.

    A confirmação da jurista na chapa era esperada para hoje, mas deve demorar um pouco mais. Falando brevemente a jornalistas, Janaína disse não ter se decidido ainda por aceitar o convite para concorrer. Ela porém, assumiu um tom político ao defender a necessidade de governabilidade e criticar o que chamou de "pensamento único".

    Pré-candidato à reeleição para o Senado, Magno Malta (PR) discursou a favor de Bolsonaro. Ele próprio anteriormente cotado para integrar a chapa como vice, Malta discursou a favor do candidato do PSL. 

    "O que o Brasil quer e o que eu quero é um homem de mãos limpas, e você tem mãos limpas. E um homem cristão, você é cristão. O Brasil quer um homem que tem sangue no olho para enfrentar vagabundo", disse, citado pelo Estadão.

    A convenção também deve lançar o filho de Jair, Flávio Bolsonaro como o candidato da sigla ao senado. Outros nomes para os cargos de deputado estadual e federal devem ser oficializados hoje.

    Tags:
    Senado do Brasil, Partido Social Liberal (PSL), Estadão, USP, Magno Malta, Flávio Bolsonaro, Jair Bolsonaro, Janaína Paschoal, Dilma Rousseff, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik