13:53 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Slava Metreveli, atacante da URSS, em foto de 1966.

    Exposição fotográfica relembra a glória do futebol soviético

    © Sputnik / Mstislav Botashev
    Brasil
    URL curta
    0 143

    A Rússia também é terra de futebol. Muito antes da atual Copa da Rússia de 2018, o país foi celeiro de craques e acumulou títulos no futebol internacional. A seleção da antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) venceu uma Eurocopa (1960), duas Olimpíadas (1956 e 1988) e participou de sete Copas do Mundo.

    Quem quiser revisitar episódios deste passado glorioso tem uma oportunidade especial: a exposição "Fome de gols", realizada na Reserva Cultural, em Niterói e em São Paulo, traz um acervo especial de fotos de craques e partidas importantes do período. Além das fotos, os restaurantes da Reserva Cultural também estão servindo pratos especiais da culinária russa.

    O evento é organizado pela Agência Federal de Assuntos da Comunidade dos Estados Independentes, de Compatriotas no Exterior e de Cooperação Internacional Humanitária da Rússia (Rossotrudnichestvo), em parceria com a Agência de Notícias e a Rádio Sputnik.  

    Há registros do primeiro e único goleiro a receber o prêmio de melhor jogador do mundo, Lev Yashin, e dos outros dois soviéticos que receberam o mesmo prêmio: Oleg Blokhin e Slava Metreveli.

    Yashin, conhecido como "Aranha Negra", ficou famoso por revolucionar a posição de goleiro ao sair para cortar cruzamentos e não tinha medo de interceptar passes e chutes. Além disso, o próprio dizia que tinha um ritual antes dos jogos: um cigarro para "acalmar os nervos" e uma dose de vodka para "tonificar os músculos". Exímio pegador de pênaltis, Yashin também afirmou: "A alegria de ver Yuri Gagarin no espaço só é superada pela alegria de uma boa defesa de pênalti".

    • O lendário goleiro Lev Yashin, em registro de 1969.
      O lendário goleiro Lev Yashin, em registro de 1969.
      © Sputnik / Sergei Soloviov
    • Slava Metreveli, atacante da URSS, em foto de 1966.
      Slava Metreveli, atacante da URSS, em foto de 1966.
      © Sputnik . Mstislav Botashev
    • Jogo entre as seleções olímpicas de futebol da URSS e da França. O soviético Ileg Romantsev e o francês Marius Trésor dividem a bola. Foto de 1980.
      Jogo entre as seleções olímpicas de futebol da URSS e da França. O soviético Ileg Romantsev e o francês Marius Trésor dividem a bola. Foto de 1980.
      © Sputnik / Aleksandr Makarov
    • Membro da seleção soviética de futebol Oleg Blokhin no ataque, em 1983.
      Membro da seleção soviética de futebol Oleg Blokhin no ataque, em 1983.
      © Sputnik / Dmitry Donskoi
    • Partida entre as seleções da URSS e da França em 1955. À frente, os capitães Igor Netto (esquerda) e Roger Marche (direita).
      Partida entre as seleções da URSS e da França em 1955. À frente, os capitães Igor Netto (esquerda) e Roger Marche (direita).
      © Sputnik / Mikhail Ozyorski
    • Jogo entre as seleções da URSS e da Iugoslávia durante os Jogos Olímpicos de 1952, em Helsinque, na Finlândia.
      Jogo entre as seleções da URSS e da Iugoslávia durante os Jogos Olímpicos de 1952, em Helsinque, na Finlândia.
      © Sputnik / Anatoly Garanin
    • Jogo amistoso entre Argentina e URSS em 1961. Em primeiro plano, o jogador soviético Viktor Ponedelnik.
      Jogo amistoso entre Argentina e URSS em 1961. Em primeiro plano, o jogador soviético Viktor Ponedelnik.
      © Sputnik / Yuri Somov.
    • O atual técnico da seleção russa, Stanislav Cherchesov, jogando como goleiro pelo Spartak em partida contra o Lokomotiv, em 2002.
      O atual técnico da seleção russa, Stanislav Cherchesov, jogando como goleiro pelo Spartak em partida contra o Lokomotiv, em 2002.
      © Sputnik / Vladimir Fedorenko
    1 / 8
    © Sputnik / Sergei Soloviov
    O lendário goleiro Lev Yashin, em registro de 1969.

    O jornalista e pesquisador Emanuel Júnior ressalta que o futebol era visto com algum ceticismo pelos líderes soviéticos por ser um possível "instrumento de despolitização do proletariado" ao mesmo tempo que também era valorizado como ferramenta de desenvolver a cultura física. 

    Em 1936, foi inaugurado o Campeonato Soviético com times de diferentes repúblicas soviéticas como Ucrânia (Dinamo Kiev), Bielorrúsia (Dinamo Minsk) e Geórgia (Dinamo Tbilisi). Emanuel ressalta que o futebol soviético era um "catalisador de identidades nacionais" em uma União Soviética multinacional. 

    "O sentimento nacional de cada povo fazia com que os clubes de Moscou fossem odiados pelos times e torcedores de fora da Rússia. Por isso, Dínamo Kiev, Dínamo Minsk, Dínamo Tbilisi e Ararat Yerevan, por exemplo, eram vistos como símbolos nacionais da Ucrânia, Bielorrúsia, Geórgia e Armênia, respectivamente", diz o pesquisador à Sputnik Brasil.

    Os craques do futebol soviético não ganhavam salários astronômicos tal qual hoje — mas também não eram cidadãos comuns. Emanuel ressalta que formalmente todos os jogadores eram amadores, mas principalmente após o começo do campeonato soviético, os atletas puderam ter dedicação exclusiva ao esporte. 

    "Os melhores jogadores, e também treinadores, eram disputados pelos principais clubes soviéticos. E, naturalmente, além de melhores salários, também eram persuadidos com ofertas de boas residências e carros. Os grandes clubes de Moscou levaram vantagem por muito tempo, até pela atração de estarem na capital e mais próximos ao poder central. Entretanto, a partir dos anos 1960, a figura dos patronos passou a ser cada vez mais influente em clubes de outras regiões.  A influência dos patronos por exemplo, foram determinantes para as fases áureas dos Dínamos de Kiev e Tbilisi, os únicos clubes soviéticos que conquistaram troféus continentais."

    A exposição Fome de gols em Niterói.
    © Sputnik /
    A exposição "Fome de gols" em Niterói.

    O jornalista e pesquisador afirma que os patronos dos clubes costumavam ser líderes do Partido Comunista, como Volodymyr Shcherbytsky, responsável por garantir o orçamento que levou o Dinamo Kiev a um período de sucesso nas décadas de 1970 e 1980. Outro patrono de destaque foi Eduard Shevardnadze, presidente do Dinamo Tbilisi e líder do Partido Comunista da Geórgia. Sob a direção de Shevardnadze, o Dinamo venceu o Campeonato Soviético em 1978, duas Copas (1976 e 1979) e uma Recopa Europeia (1981). O sucesso do time ajudou o líder comunista a conseguir se eleger como primeiro presidente da Geórgia após o fim da URSS.

    Mais:

    Presidente da FIFA declara Copa da Rússia como a melhor da história
    Torneio dos finalistas da Copa do Mundo como você nunca viu
    Croácia faz história e vai à final da Copa do Mundo pela 1ª vez (FOTOS)
    Eliminados da Copa, brasileiros resolvem 'turistar' na Rússia
    OTAN declara 'vitória' na Copa 2018 na Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik