20:27 13 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Caixa de fentanil, substância comercializada que tem protagonizado a crise de opioides nos Estados Unidos.

    Crise de opioides revela ligação entre dependência de drogas e laboratórios

    © REUTERS
    Brasil
    URL curta
    1 0 0

    Em diversas localidades do mundo o uso de medicamentos comerciais como drogas recreativas tem se tornado uma ameaça à saúde pública, diz a ONU. O pior caso é o dos opioides, responsáveis por 76% das mortes decorrentes do uso de drogas no mundo. Sobre esse assunto, a Sputnik Brasil entrevistou Jorge Jaber, especialista em dependência de drogas.

    Os dados apresentados pelo Relatório Mundial sobre Drogas, lançado na terça-feira (26) pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) são alarmantes. Segundo a organização, o documento apresenta "a magnitude e a complexidade sem precedentes do mercado global de drogas, mostrando o um aumento no número de mortes devido ao uso dessas substâncias. O que mais choca, no entanto, é a presença e o impacto crescente do dos opioides sintéticos em meio a esses dados.

    Segundo o texto, apenas em 2016, foram apreendidas 87 toneladas de opioides farmacêuticos, sendo na África Central, Oriental e do Norte os locais de maior incidência, onde concentraram-se 87% dos casos de apreensão. No entanto, em 2017, a Ásia contabilizou mais da metade desse tipo de apreensão.

    Os dois tipos mais comuns desse tipo de droga na sua forma sintética são o fentanil e o tramadol, sendo o último mais comum na África e Ásia, enquanto o primeiro se destaca na América do Norte.

    Entre 2016 e 2017, a produção global de ópio cresceu 65%. No entanto, a droga mais consumida do mundo foi a cannabis, com 192 milhões. No total, a estimativa da ONU é que, em 2016, 275 milhões de pessoas tenham usado algum tipo de droga no mundo inteiro, sendo que 31 milhões sofrem com o abuso de substâncias. 

    O caso da crise dos opioides nos Estados Unidos é notável. Nos últimos anos, o número de mortes cresceu muito, a ponto de a expectativa de vida no país diminuir. Em, 2016, a expectativa de vida no país caiu pelo segundo ano consecutivo pela primeira vez desde 1963.

    A Sputnik Brasil entrevistou Jorge Jaber, psiquiatra e especialista em dependência de drogas. Para ele, o mercado de drogas utiliza uma lógica capitalista de atuação e apresenta a droga como uma opção fácil de obtenção de prazer sem esforço, um alívio em meio ao modus operandi da sociedade moderna. "O uso de drogas entrou numa visão de lucro imediato. Então o mercado das drogas utiliza o mesmo mercado, a mesma estratégia de mercado de vendas de outros produtos que também são venenosos", ressalta.

    Baseando-se nos dados divulgados Relatório Mundial sobre Drogas, Jaber salienta a gravidade da crise causada pelo opioides nos Estados Unidos, e relaciona a situação com o Brasil.

    "Em relação aos opioides, especificamente, é uma situação tratada como epidêmica nos Estados Unidos, na América do Norte, através da utilização dos chamados painkillers, ou dos analgésicos potentes. Esses analgésicos são mais facilmente obtidos na América através das farmácias mesmo, do câmbio negro. E são mais baratos que as outras drogas vendidas, como o ópio, por exemplo, que tem um tráfico mais caro. Então dentro da América, a utilização de opioides vendidos como medicamentos está atingindo níveis astronômicos, coisa que não ocorre por exemplo, no Brasil", afirma Jorge Jaber.

    No Brasil, a crise em torno da política de drogas aplicadas é de conhecimento público, sendo o tráfico de drogas o maior responsável pelo alto número de presos no país, por exemplo, e pivô nos debates sobre segurança pública.

    "Essa epidemia na América, que está matando cerca de 60 pessoas por dia nos Estados Unidos, é fruto da utilização de remédios que são vendidos ilícitamente para usuários de drogas. Não é o ópio, a heroína que estão causando esta devastação, mas sim remédios produzidos por laboratórios, cuja venda deveria ser muito controlada, como é no Brasil. É interessante que no Brasil a venda de opioides é muito controlada", aponta.

    Esse controle maior seria uma espécie de salvaguarda para que esse tipo de epidemia seja evitada, apesar de que no país cresceu o consumo de outras drogas, como a cocaína. A obtenção desse tipo de remédio no Brasil passa por um controle restrito, com níveis de receita e rastreamento delas. Esse tipo de medicamento, aponta Jorge Jaber, costumam ser prescritos a pessoas com necessidade de analgésicos potentes, por exemplo, pessoas com câncer, graves lesões neurológicas, que sofreram acidentes graves, ou mesmo para o uso em cirurgias.

    "Aqui no Brasil nós usamos praticamente três tipos de receita. A receita branca, que é uma receita que é utilizada, por exemplo, para antibióticos, então o paciente tem que ter uma receita médica específica padrão. Tem a receita azul, utilizada para substâncicas psicotrópicas como, por exemplo um calmante. E a receita amarela é utilizada para opioides. A receita amarela para se obter é muito difícil. Você tem que ir pessoalmente na vigilância sanitária e ao chegar lá, mostrando a sua carteira de médico, você recebe um bloquinho com um número de receitas numerado. A partir daquele momento, todas as farmácias que receberem aquela receita, elas saberão para onde ir, quem foi o médico que assinou. Então é muito controlado", explica Jaber.

    O especialista também afirma que o medicamento ainda sim pode gerar dependência nos usuários, incluindo entre funcionários da saúde, que têm o acesso facilitado a esse tipo de medicamento.

    Nos Estados Unidos, mais de 42 mil pessoas morreram de overdoses de opioides em 2016, um aumento de 28% em relação a 2015, segundo as estatísticas do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde dos EUA.

    Mais:

    Presidente da Colômbia pede o fim da guerra às drogas
    Duterte ameaça prender promotora que investiga a sua guerra contra as drogas
    Polícia do Rio prende dezenas de suspeitos de tráfico de drogas
    EUA cogitam pena de morte para conter crise de drogas no país, diz procurador-geral
    Trump apresentará projeto com pena de morte para traficantes de drogas
    Tags:
    crise dos opióides, tráfico de drogas, guerra às drogas, política de drogas, ONU, Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), Jorge Jaber, Ásia, África, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik