11:43 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Aloysio Nunes Ferreira, ministro das Relações Exteriores do Brasil

    Ministro vai aos EUA para analisar situação de crianças brasileiras separadas dos pais

    © Foto : Divulgação/Itamaraty
    Brasil
    URL curta
    1111

    O Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes, vai viajar para os Estados Unidos na próxima quarta-feira (4) para acompanhar os casos das crianças que imigraram ilegalmente para o país com parentes e foram separadas de suas famílias.

    Nunes disse à imprensa que vai se encontrar com os 10 cônsules brasileiros nos Estados Unidos para fazer uma avaliação da situação das 51 crianças brasileiras que foram separadas dos pais.

    "Temos 10 cônsules que estão fazendo um trabalho extraordinário de acompanhamento das crianças, identificação de cada caso, assistência jurídica", disse o ministro. "Vou encontrar com eles para fazer avaliação do que está acontecendo em cada uma das jurisdições e ver como a administração do Itamaraty pode contribuir para ajudá-los nesse trabalho".

    O chanceler brasileiro participou nesta quinta-feira (28) de um seminário sobre competitividade e comércio exterior organizado pelo jornal O Globo.

    O ministro não informou se deve se encontrar com autoridades americanas na visita ao país e afirmou que essa agenda seria promovida pelo embaixador brasileiro em Washington, Sergio Amaral.

    Desde maio, a política de tolerância zero com a imigração ilegal, adotada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, levou à separação de mais de 2 mil crianças de suas famílias, ao passarem pela fronteira entre México e Estados Unidos. As informações foram publicadas pela Agência Brasil.

    Na quarta-feira (20), depois de muita pressão, doméstica e internacional, Trump assinou um decreto executivo que poria fim à separação das famílias. A solução deve ser manter as crianças presas ao lado dos pais.

    Tags:
    política de imigração, Donald Trump, Aloysio Nunes
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik