15:46 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados do Congresso Nacional do Brasil, durante uma coletiva em Brasília

    Rodrigo Maia defende 'diminuição' do tamanho da Petrobras: 'Não pode ser única'

    © REUTERS / Adriano Machado
    Brasil
    URL curta
    805

    O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) defendeu em sabatina promovida pelo jornal Correio Braziliense que a Petrobras diminua sua importância no mercado. "Não precisa ter o monopólio, pode continuar existindo em um tamanho menor", defendeu o parlamentar que deve concorrer ao Palácio do Planalto nas eleições deste ano.

    A fala ocorreu durante o evento "Correio Entrevista — Pré-candidatos 2018", que conta com a participação de outros presidenciáveis como Geraldo Alckmin, Marina Silva, Henrique Meirelles, Ciro Gomes, Jair Bolsonaro, entre outros. Maia foi o primeiro sabatinado da lista, às 9h.

    O pré-candidato aproveitou para se posicionar contrário à privatização do Banco do Brasil. Para o deputado, é necessário que o sistema financeiro nacional passe "por uma grande reforma para atrair novos atores e mais concorrência". Maia, porém, defendeu que a Caixa Econômica Federal mude o perfil da instituição por não achar aceitável "dois bancos públicos disputando o mesmo mercado".

    Outro tema polêmico veio à tona durante a entrevista: a reforma da Previdência. Com o poder de definir o que vai ou não para a pauta de votação, Maia foi um dos principais responsáveis pelo não-andamento do projeto governamental que alterava as regras da aposentadoria. À época, alegou-se falta de apoio nas bancadas. Questionado, o presidenciável defendeu a criação de um sistema de transição. "Essa reforma vai impactar mais os estados. Ela é fundamental. Idade mínima é fundamental".

     

     

    Tags:
    reforma da previdência, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Jair Bolsonaro, Ciro Gomes, Henrique Meirelles, Marina Silva, Geraldo Alckmin, Rodrigo Maia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik