05:40 28 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 0 0
    Nos siga no

    Integrante da Força-Tarefa da Operação Lava Jato em São Paulo, a procuradora Adriana Scordamaglia viu com estranheza a decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de libertar pela segunda vez o ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, apontado como operador do PSDB.

    Decretada na manhã desta quarta-feira, a segunda prisão do engenheiro e de sua filha durou menos de 12 horas. A procuradora revelou que a notícia do habeas corpus, concedido por Mendes, chegou no momento em que acontecia a audiência de custodia de pai e filha em São Paulo.

    "É uma audiência que todos que dela participaram e dela tomarem conhecimento vão se lembrar pelo resto da vida, porque é uma audiência sui generis a qual foi atropelada ao seu final com uma liberdade concedida pela última instância havendo também supressão das instâncias, já que tem o tribunal e o STF é a última instância que os réus devem recorrer", disse ela em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.

    Na sua decisão, o ministro do STF reforçou que a nova prisão teria ocorrido porque o juiz de primeira instância "não teria se conformado" com o habeas corpus anterior concedido ao ex-diretor da Dersa, que é investigado por desvios em obras em São Paulo, entre 2009 e 2011, que teriam ajudado a financiar campanhas tucanas.

    Contudo, a procuradora da Força-Tarefa afirmou ver com "estranheza" a decisão de Mendes, destacando que as testemunhas de acusação seguem correndo riscos – o fato motivou os dois pedidos de prisão de Souza neste mês – 

    "Na minha visão, sim, e com toda a certeza. O ministro Gilmar Mendes diz que só testemunhas de defesa seriam ouvidas agora, e isso não é verdade. Serão ouvidas testemunhas arroladas pela acusação em breve", prosseguiu ela ao jornal.

    A procuradora ainda destacou que seguirá fazendo o seu trabalho, que busca que "a Justiça seja feita" e, por isso, a meta é "não esmorecer" diante de decisões como a do ministro – que ao longo do dia foi até mesmo ironizado nas redes sociais.

    Nas suas próprias redes sociais, Adriana Scordamaglia já compartilhou várias notícias envolvendo Gilmar Mendes, geralmente críticas ao ministro e a uma suposta parcialidade que ele demonstraria em suas decisões, sobretudo no âmbito da Operação Lava Jato.

    Mais:

    Paulo Preto livre: Investigado por corrupção do PSDB é solto por Gilmar Mendes
    Suposto operador do PSDB estuda delação e pode complicar sonho presidencial de Alckmin
    Empresário diz à PF que recebeu 6,5 milhões de euros do PSDB em conta na Suíça
    FHC descreve 'encontro' com OVNIs e diz que corrupção do PT é diferente do PSDB (VÍDEO)
    Tags:
    Brasil, São Paulo, Paulo Vieira de Souza, Paulo Preto, Adriana Scordamaglia, Gilmar Mendes, STF, PGR, Ministério Público, PSDB, testemunhas, ameaças, Caixa 2, corrupção, política, impunidade
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar