19:56 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Edifício-sede da Petrobras no Rio de Janeiro

    Senador do PSDB pede a demissão do presidente da Petrobras (VÍDEO)

    Tânia Rêgo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    930
    Nos siga no

    Horas antes da Petrobras anunciar a redução de 10% do preço do diesel por 15 dias, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) pediu a demissão do presidente da companhia, Pedro Parente, que para ele teria responsabilidade direta pela greve dos caminhoneiros no país.

    "É claro que o país não suporta essa política de reajustes diários, isso fere qualquer planejamento do segmento de transporte que atende todas as cadeias da produção brasileira", declarou ao site Poder 360.

    Para o tucano, as falas anteriores de Parente – frontalmente contrário a uma mudança na política de preços da Petrobras, que por sua vez acompanha o mercado internacional de combustíveis – deixam até mesmo o Executivo em situação difícil.

    "Da forma como as coisas estão indo, parece que daqui a pouco o presidente da Petrobras vai nomear o presidente da República", provocou o parlamentar tucano, também vice-presidente do Senado Federal.

    Na opinião de Cunha Lima, só a demissão de Parente poderia trazer alguma mudança, a fim de levar ao fim da crise causada nesta semana pela greve de caminhoneiros em todo o Brasil, movimento que ameaça o abastecimento de vários itens importantes para a indústria, o comércio e para a própria população.

    "Mudar o comando da Petrobras para que se mude a política de preços é um primeiro passo para enfrentar essa crise […] É caos, falta governo, falta ação e é preciso agir", concluiu.

    Algumas horas após a declaração do senador tucano, Parente convocou uma coletiva para anunciar a redução de 10% no diesel nas refinarias, garantindo ainda a manutenção da medida por 15 dias.

    A redução estimada é de R$ 0,23 no litro do diesel na refinaria, chegando a R$ 0,25 na bomba dos postos para o consumidor.

    "O mercado já está demonstrando um sofrimento ao que está acontecendo no país e, portanto, o benefício de se resolver a situação será muito positivo […] Não estamos cedendo à pressão nem à chantagem de ninguém. A gente nunca trabalha pensando no curto prazo. Nosso objetivo é geral valor para o acionista a longo prazo", declarou.

    Mais:

    Greve de caminhoneiros continua em 23 estados do Brasil
    Um susto por dia: Petrobras mantém política de reajustes
    Getúlio 'está se remoendo no túmulo' com atual momento da Petrobras, diz sindicalista
    Tags:
    petróleo, demissão, desabastecimento, caminhoneiros, greve, economia, combustíveis fósseis, diesel, Petrobras, Michel Temer, Cássio Cunha Lima, Pedro Parente, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar