03:44 19 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Posto de gasolina

    Um susto por dia: Petrobras mantém política de reajustes

    © Sputnik / Aleksei Kudenko
    Brasil
    URL curta
    651

    A política de reajustes diários nos preços dos combustíveis, adotada pela Petrobras, vem causando preocupação nos brasileiros e provocando manifestações de caminhoneiros em todo o país. Somente na última semana, o valor da gasolina e do diesel sofreu 5 reajustes para mais.

    Para a professora de Economia da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, Juliana Inhasz, essa nova política trará um aumento nos preços de uma forma generalizada.

    Segundo a economista da FECAP, os impactos serão sofridos não só nos postos de gasolina mas também no setor de produtos, já que o sistema logístico brasileiro, principalmente para escoar a produção, depende majoritariamente do transporte rodoviário, que vai ficar mais caro.

    "O consumidor, infelizmente, vai sentir esse impacto", observa a professora Juliana Inhasz em entrevista à Sputnik Brasil. "Em essência, o ideal seria que a Petrobras tivesse hoje um caixa suficientemente maduro para que ela pudesse absorver esse choque. O que está acontecendo agora é o oposto. A gente vai perceber aumentos nos preços, que vão deixar o nosso orçamento mais curto." 

    Já o economista Martin Tygel, professor da Unicamp (Universidade de Campinas), não acredita que o governo ou a estatal devam interferir na política de preços. Para ele, essa política, "por mais penosa que possa parecer", está em consonância com o que as outras empresas fazem, e é vital para a sobrevivência delas no mundo inteiro.

    "Qualquer coisa que o governo fizer em relação a isso vai acarretar que o dinheiro terá que sair de algum lugar. A população vai pagar isso através de impostos", enfatiza o professor Tygel em entrevista à Sputnik Brasil.

    Após diversas manifestações, a Petrobras anunciou nesta terça-feira (22) uma redução no preço dos combustíveis. O diesel será reduzido em 1,54%, para R$ 2,3351 por litro, no primeiro corte desde 12 de maio. Já a gasolina diminuirá 2,08%, para R$ 2,0433 por litro, a primeira redução desde 3 de maio.

    Apesar desse corte, porém, a empresa não vai mudar a sua política de reajustes. A informação foi dada pelo presidente da estatal, Pedro Parente, na manhã desta terça-feira, após reunião com os ministros da Fazenda, Eduardo Guardia, e de Minas e Energia, Moreira Franco. Segundo ele, a redução no preço da gasolina e diesel anunciada hoje ocorreu pela variação do câmbio.

    Mais:

    Propinas a operador do MDB e agentes da Petrobras são foco de nova fase da Lava Jato
    Petroleiros: mudanças na Petrobras são continuação do golpe
    Tags:
    guerra de preços, caminhoneiros, preço da gasolina, diesel, combustível, manifestação, economia, Petrobras, Juliana Inhasz, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik