13:00 26 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Policiais militares fazem operação em Belém no feriado de 1º de maio

    Após morte de PM, Belém registra cerca de 30 assassinatos desde domingo

    © Foto : THIAGO GOMES/AG. PARÁ
    Brasil
    URL curta
    1214

    Cerca de 30 pessoas foram assassinadas no Pará desde o último domingo (29). Segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), as execuções podem estar associadas à morte da cabo Maria de Fátima dos Santos na tarde daquele dia, dentro da própria casa, na cidade de Ananindeua, região metropolitana de Belém.

    Dados oficiais da secretaria confirmam a morte de 28 pessoas até a tarde desta terça-feira, a maior parte moradora da região metropolitana de Belém. Hoje, os números não foram atualizados devido à manutenção no banco de dados da Secretaria de Inteligência e Analise Criminal (Siac), mas a assessoria do órgão informou que novos casos ocorreram. A imprensa local contabiliza 34 mortes. Parte das pessoas foi morta em unidades de saúde, como postos e pronto socorros.

    Em nota, a Segup informou que está tomando novas medidas para o enfrentamento da insegurança no Pará, especialmente na região metropolitana de Belém. As ações incluem ampliação do número de policiais militares em atividade.

    Cerca de 800 agentes fortalecerão a rotina de policiamento, de acordo com a secretaria. Outra medida é a troca da empresa responsável pelo bloqueio de sinais de celulares em presídios, para efetivamente evitar que presos usem o equipamento para ordenar ataques. As informações são da Agência Brasil.

    A Segup informou que a investigação sobre a morte da policial militar está a cargo da Divisão de Homicídios. As demais investigações estão sendo compartilhadas entre a Divisão de Homicídios e as delegacias dos bairros em que os fatos foram registrados. O Ministério Público do Pará (MP-PA) também informou que apura se houve omissão e negligência do Comando Geral da Polícia Militar na segurança da cabo.

    Isto porque, a policial já havia denunciado que vinha sofrendo ameaças de morte, mas não chegou a receber proteção, segundo o MP. Se comprovada a omissão, a autoridade da PM encarregada da segurança da militar poderá ser processada por homicídio culposo.

    Mais:

    'Me desculpe': empresa norueguesa admite desastre ambiental no Pará
    Empresas de Rússia e China estudam parceria com governo do Pará para construir ferrovia
    Operação de Fiscalização na Floresta Nacional do Jamanxim, no Pará
    Operação de combate a garimpo ilegal na Terra Indígena Kayapó, no Pará
    Tags:
    Belém
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik