21:21 17 Fevereiro 2019
Ouvir Rádio
    A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia.

    Presidente do STF pede calma para evitar 'desordem social' antes de julgamento de Lula

    © Foto : Luiz Silveira/Agência CNJ/ Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    Luta pelo habeas corpus de Lula (24)
    0 13

    Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) no Brasil, a ministra Cármen Lúcia Antunes fez um chamado nesta segunda-feira para os cidadãos em prol da "serenidade", a fim de evitar "desordem social".

    A fala aconteceu pouco antes da sessão que pode decidir se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) será preso ainda nesta semana.

    "Vivemos em tempos de intolerância e intransigência contra indivíduos e instituições, por isso é um momento em que você tem que perguntar a serenidade, que as diferenças ideológicas não são uma fonte de desordem social", disse em uma mensagem oficial divulgada pela TV Justiça, canal estadual coordenado pelo STF, algo que não acontece com a assiduidade.

    A representante do mais alto órgão judicial do Brasil ressaltou que as ideologias não devem causar "inimizades sociais" e que a liberdade deve sempre ser expressa em relação ao outro.

    "O Brasil merece respeito, o Brasil é todo cidadão que deve ser honrado em seus direitos, garantindo a integridade das instituições responsáveis por garanti-los", acrescentou.

    A ministra não fez referências específicas, mas a declaração veio apenas dois dias antes do STF julgar um recurso de habeas corpus (pedido para avaliar a legalidade de uma prisão) preventiva interposto pela defesa do ex-presidente Lula.

    Lula já foi condenado a 12 anos e um mês de prisão por supostos delitos de corrupção. Se na quarta-feira a Suprema Corte rejeitar o habeas corpus, a Justiça poderá decretar sua prisão imediatamente.

    Por outro lado, se o recurso for aceito, Lula poderá permanecer em liberdade até que todos os recursos sejam resolvidos nas instâncias superiores: o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o próprio STF.

    A importante decisão da Suprema Corte tem aquecido o clima nas últimas semanas, dado que os juízes deste tribunal estão recebendo pressão de ambos os lados, tanto para beneficiar como para prejudicar o ex-presidente.

    A referência à "desordem social" feita por Cármen Lúcia também ocorre após dois ônibus caravana Lula terem sido atacados com tiros no Paraná, na semana passada, o que detonou o alarme sobre o clima de tensão que vive o país.

    O movimento conservador Vem pra Rua convocou protestos para esta terça-feira em grandes cidades de todo o país para pressionar o Supremo e Lula entrar na prisão o mais rápido possível.

    A presidente do STF se reuniu na segunda-feira com policiais graduados para discutir o esquema de segurança a ser implementado em Brasília no dia da sessão sobre o habeas corpus de Lula.

    Tema:
    Luta pelo habeas corpus de Lula (24)

    Mais:

    MP apura conversas de Whatsapp que podem ter ligação com ataque contra caravana de Lula
    Temer comenta atentado contra caravana de Lula: 'uma pena'
    Moro diz que decisão a favor de Lula pode beneficiar traficantes e pedófilos (VÍDEO)
    Tags:
    segunda instância, Operação Lava Jato, lavagem de dinheiro, corrupção, julgamento, habeas corpus, STF, Vem Pra Rua, Luiz Inácio Lula da Silva, Cármen Lúcia, Brasil