17:07 20 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Marielle Franco, vereadora pelo PSOL, assassinada na noite do dia 14 de março

    Roda de samba que fazia homenagem à Marielle é interrompida e dono do bar é detido

    © Foto : Mário Vasconcellos/CMRJ
    Brasil
    URL curta
    539

    A roda de samba do Bip Bip, tradicional bar de Copacabana, foi interrompida na noite deste domingo (18) porque um policial rodoviário federal se opôs à homenagem dos sambistas à vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada na última quarta-feira (14).

    Segundo o post no Facebook de uma testemunha, o policial Haroldo Ramos de Souza, de 55 anos, disse que a roda deveria homenagear os policiais mortos e não Marielle.

    Haroldo Ramos disse ter sido agredido fisicamente, mas alegou não ter condições de identificar quem foi o autor das tais agressões. Alguns policiais rodoviários federais e militares foram dar apoio ao colega e conduziram o proprietário do bar, Alfredo Jacinto Melo, de 74 anos, conhecido como Alfredinho, até a delegacia.

    Durante seu depoimento, o dono do bar alegou que o policial chegou armado no bar e ameaçou efetuar disparos caso a homenagem não acabasse.

    O caso foi registrado como Lesão Corporal na 14ª DP (Leblon) na madrugada desta segunda-feira (19). Os envolvidos, no entanto, passaram por outras duas delegacias antes de chegar à do Leblon — a 12ª (Copacabana) e a 13ª (Ipanema).

    Mais:

    Maré marcha contra morte de Marielle Franco
    'Quem matou Marielle?', presidente do PSOL comenta repercussão e hipóteses
    'Essa munição foi roubada', afirma Jungmann sobre assassinato de Marielle
    Conselho de Direitos Humanos vai acompanhar investigações sobre morte de Marielle
    Assessora de Marielle se jogou do carro e ainda está em estado de choque, diz jornal
    'Assassinato de Marielle revela existência de esquadrões da morte na Polícia Militar'
    Tags:
    Marielle Franco
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik