17:11 20 Abril 2018
Ouvir Rádio
    A vereadora Marielle Franco durante entrega da medalha Chiquinha Gonzaga no Dia Internacional da Mulher.

    Vereadora do PSOL é executada a tiros no Rio de Janeiro

    © Foto: Divulgação/Assessoria de Imprensa Marielle Franco
    Brasil
    URL curta
    Assassinato de Marielle Franco choca o Brasil (27)
    45424

    A vereadora do PSOL no Rio de Janeiro, Marielle Franco foi assassinada dentro do próprio carro após sair de um evento político no centro do Rio de Janeiro, informou o 4º Batalhão da Polícia Militar em São Cristóvão.

    As primeiras informações apontam para possível execução. De acordo com a PM, ela voltava de um evento quando assassinos emparelharam um carro ao lado da vereadora e abriram fogo contra ela e o motorista Anderson Pedro Gomes fugindo logo em seguida sem levar nada. Os dois morreram na hora.

    Em um tweet, a repórter especial do canal ESPN, Gabriela Moreira, contou que estava em um bar a 30 metros de onde Marielle foi assassinada. A jornalista contou que apenas algumas pessoas perceberam os disparos. "O que se pôde ver: os tiros saíram de um carro branco, que fugiu em direção a São Carlos. Uma viatura estava posicionada a pouquíssimos metros de onde tudo aconteceu", revelou, garantindo ainda que não podia dizer se os policiais presenciaram o assassinato. Ela, porém, garante que um oficial entrou no bar minutos depois com um giz para marcar o local do assassinato.

    ​Amigos e partidários de Marielle já começaram a reagir nas redes sociais. Pelo Twitter, a deputada Jandira Feghali expressou pesar e mandou lembranças à família da vereadora.

    ​Candidata à presidência pelo PCdoB, a deputada Manuela D'Ávila foi outra a se manifestar, dizendo que "ninguém vai calar as mulheres que lutam".

    O PSOL divulgou nota em que expressou pesar e disse estar "do lado de familiares, amigos, assessores e dirigentes partidários do PSOL-RJ".

    "A atuação de Marielle como vereadora e ativista dos direitos humanos orgulha toda a militância do PSOL e será honrada na continuidade de sua luta. Exigimos apuração imediata e rigorosa desse crime hediondo. Não nos calaremos!", diz o texto.

    O partido realiza homenagem à vereadora às 11h na Câmara dos Deputados. Nas redes sociais, já há mobilização também para um protesto às 17h em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

    Atuação

    Nascida e criada em favela do Complexo da Maré, na zona norte da cidade, Marielle Franco foi eleita aos 37 anos vereadora pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) com mais de 46 mil votos, sendo a quinta mais votada do Rio. Por ter sido mãe muito nova (aos 19 anos), era forte defensora dos direitos das mulheres na Câmara Municipal, além de advogar pelas causas racial e direitos humanos.

    No último dia 26 de fevereiro, Marielle foi eleita relatora da comissão na Câmara que acompanharia a intervenção federal no Rio de Janeiro. Entre as atribuições estava visitar territórios, colher dados e solicitar informações sobre a atuação dos militares na cidade. ​Recentemente, ela tinha feito críticas à PM, classificando o 41º BPM de "esquadrão da morte".

    ​Ninguém foi preso até o momento. O caso vai ser investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital (DH).

    Tema:
    Assassinato de Marielle Franco choca o Brasil (27)
    Tags:
    Delegacia de Homicídios da Capital, Câmara Municipal do Rio de Janeiro, Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, Partido Socialismo e Liberdade, PSOL, PT, Manuela D'Ávila, Marielle Franco, Jandira Feghali, Complexo da Maré, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik