12:03 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Luiz Inácio Lula da Silva

    Lula e Bolsonaro protagonizam mais uma pesquisa eleitoral

    © REUTERS / Paulo Whitaker
    Brasil
    URL curta
    864

    Mantendo uma tendência que vem desde 2017, o ex-presidente Lula e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) lideram as pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial. O petista é líder em todos os cenários em que aparece como opção, inclusive no segundo turno.

    Condenado por corrupção e lavagem de dinheiro em segunda instância, o petista pode ser impedido de concorrer pela Lei da Ficha Limpa. 

    Em um cenário em que tanto Lula como Michel Temer (MDB) são candidatos, o petista tem 33,4% das intenções de voto, seguido por Bolsonaro (16,8%) e Marina Silva (7,8%). A íntegra da pesquisa pode ser conferida no link.

    Nos 14 possíveis cenários de segundo turno testados pela pesquisa, Lula lidera todos. Um possível segundo turno entre o ex-presidente e Bolsonaro seria vencido pelo petista com 44,1% das intenções de voto contra 25,8%.

    Já nas simulações sem Lula, Bolsonaro é líder com intenções de voto que variam entre 20% a 20,9%. Seus maiores adversários, neste caso, passam a ser Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

    O levantamento é da CNT/MDA e entrevistou 2002 pessoas entre 28 de fevereiro e 3 de março em 137 municípios de 25 unidades federativas do Brasil. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

    Mais:

    Quinta Turma do STJ nega habeas corpus preventivo a Lula
    Lula Nobel da Paz? Ganhador argentino quer indicar ex-presidente ao prêmio
    54% da população defende que Lula tenha direito de ser candidato, diz pesquisa
    'Tenho recebido cartas de companheiras que querem cuidar de mim', escreve Lula
    Lula diz que Temer quer roubar eleitores de Bolsonaro com intervenção no Rio
    Fachin nega pedido de Lula para evitar prisão
    Tags:
    Geraldo Alckmin, Ciro Gomes, Marina Silva, Michel Temer, Jair Bolsonaro, Lula
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik