23:46 15 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Henrique Meirelles concede primeira entrevista coletiva como ministro da Fazenda

    Sem carisma, Meirelles empolga apenas os empresários e banqueiros, diz cientista político

    Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    1050

    Apesar de suas pretensões eleitorais, uma possível candidatura do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, não deve decolar. Meirelles é a estrela do programa político de seu partido, o PSD, nos rádios e na televisão que vai ao ar nesta quinta-feira (21).

    Na avaliação do cientista político da PUC-RJ Ricardo Ismael, é "raro" um ministro da Fazenda conquistar a Presidência da República. A exceção é Fernando Henrique Cardoso, ex-ministro da Fazenda eleito presidente em 1994, mas agora o cenário é completamente diferente, diz Ismael: "O presidente Michel Temer não tem um Plano Real para tornar Henrique Meirelles seu sucessor. A agenda hoje é bem diferente: é uma agenda de ajuste fiscal, de cortes no orçamento e de implantação da reforma da Previdência Social. Nada disso confere popularidade a um candidato".

    O professor da PUC-RJ também ressalta que Meirelles está longe de ser uma figura popular.

    "Henrique Meirelles não é uma pessoa que se possa considerar popular. Ao contrário, ele firmou uma carreira muito bem sucedida como banqueiro, tendo estado à frente do Bank Boston e, no governo Lula, presidido o Banco Central. Não me parece que Henrique Meirelles consiga ter carisma e presença junto ao eleitorado brasileiro. Ele pode empolgar o mercado, o empresariado e os banqueiros. E só."

    Nas pesquisas eleitorais, Meirelles não costuma passar de 2% das intenções de voto. 

    Para Ismael, Meirelles aposta em um cenário em que a Justiça impeça o presidente Lula de ser candidato, o que garantiria um "eleição mais aberta", e uma melhora da economia em 2018. 

    Aproveitando o espaço do programa eleitoral de seu partido, Meirelles começa o programa apresentando-se e, ao longo de 10 minutos, fala sobre a queda dos juros e a baixa da inflação. Ele busca um espaço no centro político e não cita Temer, Dilma ou Lula. Com um discurso focado na economia, Meirelles relembra sua passagem na presidência do Banco Central, mas omite que foi durante o mandato do então presidente Lula (PT).

    "O PSD é um partido que cresceu muito no Nordeste, especialmente a partir das eleições municipais de 2016. É um partido fundado pelo ex-prefeito de São Paulo — Gilberto Kassab, hoje ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações — que tem ramificações no país inteiro e, portanto, poderia dar sustentação à uma candidatura à presidência da República. Portanto, o Henrique Meirelles deverá fazer uso de uma estrutura capaz de dar dimensão nacional aos seus planos", diz Ricardo Ismael.

    Mais:

    Meirelles cochila durante discurso de Temer no Mercosul
    Nos EUA, Henrique Meirelles critica protecionismo de países desenvolvidos
    Meirelles diz a Moro que nunca viu ilegalidade no governo Lula
    Meirelles e Pezão vão apresentar a Temer plano de recuperação fiscal do Rio
    Tags:
    PSD, Fernando Henrique Cardoso, Gilberto Kassab, Lula, Marcela Temer, Henrique Meirelles
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik