17:33 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Ministro da Defesa, Raul Jungmann, visita o sistema integrado de sensoriamento (Sisfron) próximo à fronteira com o Paraguai (foto de arquivo)

    General Mourão volta a falar em intervenção militar e Jungmann indica punição (VÍDEO)

    © Foto : Agência Brasil/Valter Campanato
    Brasil
    URL curta
    39208

    Protagonista de uma polêmica em setembro, o general do Exército Antônio Hamilton Mourão voltou a sugerir que as Forças Armadas possam participar de uma intervenção militar no Brasil, caso se instale uma situação de "caos" no país.

    "Se o caos for ser instalado no país... E o que a gente chama de caos? Não houver mais um ordenamento correto, as forças institucionais não se entenderem, terá que haver um elemento moderador e pacificador nesse momento [...]. Mantendo a estabilidade do país e não mergulhando o país na anarquia. Agindo dentro da legalidade, ou seja, dentro dos preceitos constitucionais, e usando a legitimidade que nos é dada pela população brasileira", disse.

    A declaração foi feita na última quinta-feira, em uma palestra intitulada "Uma visão daquilo que me cerca", realizada no Clube do Exército, em Brasília, a convite do grupo Ternuma (Terrorismo Nunca Mais). Durante o evento, segundo o jornal Folha de S. Paulo, Mourão teceu muitas críticas aos governos do PT (Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff) e de Michel Temer (PMDB).

    "Não há dúvida que atualmente nós estamos vivendo a famosa 'Sarneyzação'. Nosso atual presidente [Michel Temer] vai aos trancos e barrancos, buscando se equilibrar, e, mediante o balcão de negócios, chegar ao final de seu mandato", afirmou o militar, que tinha na plateia vários oficiais da reserva e Joseita Ustra, viúva do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra – citado pela Comissão Nacional da Verdade como um dos grandes torturadores da ditadura.

    Mourão afirmou que Lula, "sobrevivente ao mensalão, ele achou que podia tudo", e que a polícia brasileira "vive o pior dos mundos". "Porque, se ela atua em força contra o bandido, ela é estigmatizada pela imprensa. E, se ela cruza os braços, ela é omissa", continuou.

    Assim como no episódio de setembro, o general ressaltou que cabe às Forças Armadas o papel de "elemento moderador e pacificador", agindo "dentro da legalidade". Por ora, isso não estaria sendo necessário. "Por enquanto nós consideramos que as instituições têm que buscar fazer a sua parte", explicou.

    Na época da primeira polêmica, o comandante do Exército brasileiro, general Eduardo Villas Bôas, informou que Mourão não seria punido por suas declarações. Há dois anos, o general perdeu o posto no Comando Militar do Sul, em razão de críticas feitas à época contra Dilma Rousseff.

    A reincidência de Mourão já chegou ao ministro da Defesa, Raul Jungmann, que indicou em uma postagem no Twitter que o general pode ser punido pela sua nova fala sobre uma possível intervenção militar no país.

    Bolsonaro

    Questionado ainda mais sobre política, Mourão elogiou a candidatura do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) à Presidência da República em 2018, destacando que o parlamentar "é um homem que não tem telhado de vidro, não esteve metido nessas falcatruas e confusões".

    "Ele terá que se cercar de uma equipe competente. [...] Obviamente, nós, seus companheiros, dentro das Forças [Armadas], olhamos com muito bons olhos a candidatura do deputado Bolsonaro", opinou o general, que por sua vez não descartou ele próprio entrar para a política.

    "Eu apenas digo uma coisa: não há portas fechadas na minha vida", afirmou, há alguns meses de passar para a reserva militar – o que lhe permitirá participar das eleições, algo vedado a oficiais da ativa.

    Mais:

    Exclusivo: Clube Militar comenta a hipótese da intervenção militar de general Mourão
    'Muita gente está pedindo', diz porta-voz do Clube Militar sobre intervenção do Exército
    General sugere intervenção militar no Brasil e é alvo de críticas no Exército (VÍDEO)
    Tags:
    política, intervenção militar, ditadura militar, Exército Brasileiro, Carlos Alberto Brilhante Ustra, Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, Raul Jungmann, Jair Bolsonaro, Antônio Hamilton de Martins Mourão, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik