12:53 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Ex-Presidente Lula

    Lula se diz pronto para 'tomar o poder' e promete referendo contra reformas de Temer

    Ricardo Stuckert/Instituto Lula
    Brasil
    URL curta
    332717

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou neste domingo ao jornal francês Le Monde que está pronto para "tomar o poder" em 2018 e que convocará um referendo para que a população dê o seu ponto de vista acerca das reformas que o governo de Michel Temer (PMDB) vem promovendo no Brasil.

    À publicação – que afirma que, "aos 72, ele não perdeu nada da verve política" –, Lula garantiu que "ainda posso ajudar os pobres" e detonou as alegações que o colocam como um líder populista, chamando a comparação de "ridícula e hipócrita".

    "O que gera medo neles é que não vou deixar que se venda o patrimônio brasileiro. Não vamos vender a Amazônia, nem a Petrobras, a Eletrobras e os bancos públicos. Eles sabem que vamos privilegiar a produção, e não a especulação", disse o petista, que lidera as pesquisas para as eleições presidenciais de 2018.

    Resgatando a origem da crise brasileira, Lula voltou para o ano de 2013, época das manifestações de rua que, de acordo com o ex-presidente, tinha a Copa do Mundo de 2014 e as políticas de inclusão social do governo federal da presidente Dilma Rousseff (PT).

    Lula não escondeu, porém, que ele e a sua sucessora cometeram um "erro gravíssimo". "Dilma disse que não faria reformas, mas depois ela fez ajustes que atingiram os trabalhadores, dando a eles uma sensação de traição", avaliou. A situação foi agravada pela presença do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Operação Lava Jato, na Presidência da Câmara dos Deputados.

    O petista citou Cunha como "um homem obscuro" e reafirmou que "a destituição de Dilma foi um golpe de Estado". "Contra Dilma, contra o PT e contra a ideia que eu me reapresente na eleição", emendou Lula. Na sequência disso, o ex-presidente afirmou que é alvo de uma perseguição da Justiça, que já lhe condenou em um dos processos a que responde.

    "Fui condenado em um processo em que o mesmo juiz [Sérgio Moro] reconhece que o apartamento não era meu e que não houve desvio de recursos da Petrobras", queixou-se Lula. Sobrou ainda para o Ministério Público Federal (MPF) e para a Polícia Federal (PF).

    "O juiz Sérgio Moro, refém da mídia, estava condenado a me condenar. Os procuradores, tomados pela megalomania, garantem que o Partido dos Trabalhadores queria o poder para roubar. Eles têm um comportamento de analfabetos políticos. A Polícia Federal mente, o procurador mente e o juiz Moro transforma essas mentiras em processos judiciais", comentou. 

    O petista pontuou ainda que "a hora da verdade chegará e o PT decidirá", e que por isso passa a postura de promover um referendo para que o povo tenha voz a respeito das reformas do governo Temer, que “não tem política, não constrói nada, só destrói”.

    "Se eu ganhar as eleições, haverá um referendo para perguntar ao povo a sua opinião. E este tema será debatido no Congresso", concluiu.

    Mais:

    Presidente do PT, Gleisi Hoffmann: ‘Lula é o candidato; não existe Plano B’
    Lula percorre estrada de amor e ódio com caravana pré-eleitoral
    Lula diz que Dilma 'traiu' eleitorado e que, se eleito, vai revogar medidas de Temer
    Tags:
    Operação Lava Jato, crise, política, corrupção, Eleições 2018, MPF, PMDB, Polícia Federal, PT, Sérgio Moro, Michel Temer, Luiz Inácio Lula da Silva, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik