02:08 14 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    642
    Nos siga no

    Quarto maior exportador mundial de munições e armas de pequeno porte, o Brasil pode ver crescer a sua participação no mercado de vendas bélicas e militares de todo o mundo nos próximos anos, principalmente a países da OTAN, afirmaram analistas na última segunda-feira, em Brasília.

    Em uma audiência pública da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) do Senado, que integra o ciclo de debates 'O Brasil e a Ordem Internacional: Estender pontes ou erguer barreiras?', foram discutidas formas da indústria bélica nacional aumentar a sua participação no exterior.

    Para o general-de-brigada José Eustáquio Nogueira Guimarães, diretor do Centro de Estudos Estratégicos da Escola Superior de Guerra (ESG), existem grandes possibilidades de venda dos aviões militares brasileiros Super-Tucano e KC-390, ambos da Embraer, para a União Europeia (UE).

    Diante das pressões feitas pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para que os países da OTAN aumentassem os seus gastos militares como manda o ordenamento da aliança, o Brasil pode tirar vantagem e aumentar o seu faturamento – que de 2001 a 2012 foi de US$ 9,6 bilhões.

    Guimarães exaltou ainda a parceria feita pelo governo brasileiro com a Suécia para a montagem e desenvolvimento do caça Gripen NG. Para o militar, a parceria permitiu aos suecos abrir novos mercados ao seu produto, ao passo que o Brasil se beneficiou da transferência de tecnologia para renovar a sua frota aérea.

    O embaixador Nélson Tabajara de Oliveira, diretor do Departamento de Assuntos de Defesa e Segurança do Ministério de Relações Exteriores, concordou com análise de que o Brasil tem grandes chances de realizar exportações de material bélico para a UE, uma vez que o bloco está "reestruturando o seu cenário de defesa".

    Segundo ele, a insegurança vem atingindo os países europeus internamente, o que também compromete a paz internacional. O diplomata também observou que a estratégia global de segurança da Europa vai além de suas fronteiras, visto que o continente é alvo de ações terroristas e atrai um grande fluxo de migrantes.

    A instabilidade geopolítica ainda foi mencionada por Eduardo Marson Ferreira, presidente da Fundação Ezute – organização sem fins lucrativos especializada em soluções em tecnologia e gestão. Para ele, a indústria brasileira de defesa se insere um mundo de extrema volatilidade, com muita incerteza e complexidade.

    Quanto à ocorrência de conflitos, Ferreira disse que a América Latina apresenta uma tendência completamente diferente das diversas regiões do planeta. Em 2016, ressaltou, o mundo gastou US$ 1,7 trilhão em defesa, com a hegemonia dos Estados Unidos no setor — o Brasil respondeu por 1,4% desse montante.

    Ferreira disse ainda que a discussão sobre competitividade na indústria bélica – no caso do Brasil, a África e o Oriente Médio são hoje dois grandes mercados para tanques, carros de combate e lança-foguetes nacionais – deve levar em conta o uso de tecnologias que barateiam o custo do lançamento de satélites e dispensam o uso comercial de bases militares como a de Alcântara, no Maranhão.

    Mais:

    Coronel da FAB destaca qualidades do Gripen
    Caça sueco Gripen 'sobrevoa' céu do Rio (VÍDEO)
    Força Aérea Portuguesa deve receber aviões KC-390 da Embraer até final de 2021
    Tags:
    tanques, lançador de foguete, exportações, comércio, indústria bélica, armamentos, Gripen NG, Ministério de Relações Exteriores do Brasil, Fundação Ezute, OTAN, União Europeia, Eduardo Marson Ferreira, Nélson Tabajara de Oliveira, José Eustáquio Nogueira Guimarães, Oriente Médio, África, Europa, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar