13:03 22 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    811
    Nos siga no

    A Câmara dos Deputados abriu nesta quarta-feira a sessão que irá decidir se a denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer e os ministros Moreira Franco (Secretaria Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil) seguirá adiante no Supremo Tribunal Federal.

    Após horas de espera por quórum, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), iniciou nesta tarde os trabalhos para decidir o futuro do atual chefe de Estado, acusado de obstrução à justiça e organização criminosa, e dos dois ministros, acusados de organização criminosa.

    Deputados da oposição exibem cartaz pedindo a saída do atual chefe de Estado
    Antonio Augusto / Câmara dos Deputados / http://fotospublicas.com/plenario-da-camara-na-discussao-parecer-contra-michel-temer/?mc_cid=e63ffa240c&mc_eid=0fba3aaebc
    Para que o processo tenha continuidade, é necessário o apoio de, pelo menos, 342 parlamentares. Os deputados deverão votar "sim" para aprovar o parecer do relator Bonifácio de Andrada (PSDB-GO), que recomenda o arquivamento da denúncia e foi aprovado por 39 votos a 26 na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), ou "não" para rejeitar o relatório e, assim, autorizar o seguimento da denúncia.

    Segundo a denúncia, Temer e seus ministros teriam praticado ações ilícitas em troca de propina, por meio da utilização de diversos órgãos públicos, como Petrobras, Furnas, Caixa Econômica, Ministério da Integração Nacional e Câmara dos Deputados. Temer é acusado de ter atuado como líder dessa organização criminosa desde maio de 2016. Fora isso, o atual presidente teria tentado atrapalhar as investigações autorizando pagamentos indevidos para evitar delações premiadas de outros envolvidos.

    Mais:

    Temer passa mal e está em hospital de Brasília; Câmara não registra quórum para votar
    Petista admite poucas chances de Temer ser afastado, mas prevê dias difíceis ao presidente
    Tags:
    denúncia, votação, Bonifácio de Andrada, Moreira Franco, Eliseu Padilha, Rodrigo Maia, Michel Temer, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar