23:42 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Presidente Michel Temer durante Sessão Solene de Encerramento da XI Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

    Foi golpe? Ao lado de Cunha, Temer tramou queda de Dilma 'diariamente', diz Funaro

    Beto Barata/PR
    Brasil
    URL curta
    37122093

    Então vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB) tramou "diariamente" a queda da então presidente Dilma Rousseff (PT) ao lado do ex-presidente da Câmara, o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), segundo delação premiada do doleiro Lúcio Funaro.

    As informações deste anexo da colaboração fechada por Funaro foram publicadas nesta quarta-feira pelo jornal O Estado de S. Paulo.

    A trama entre Temer e Cunha teria acontecido quando crescia a chance de Dilma sofrer o impeachment, de acordo com o doleiro. Aliás, a relação dos peemedebistas oscilava, dependendo do "momento político", explicou Funaro.

    "Na época do impeachment de Dilma Rousseff, eles confabulavam diariamente, tramando a aprovação do impeachment e, consequentemente, a assunção de Temer como presidente", afirmou Funaro, de acordo com anexo da delação.

    Embora tenha dito em sua delação que não tratava de dinheiro com Temer, o doleiro afirmou que Cunha era o indicado pelo hoje presidente da República para tratar com ele dos repasses financeiros, todos de origem ilícita, segundo Funaro.

    As articulações de bastidores foram mencionadas em mais de uma oportunidade por Dilma para justificar a sua queda do Planalto. O PMDB rompeu com o governo petista semanas antes do impeachment ter tido início da Câmara, a Temer foi tido como o "golpista" para os petistas.

    Já o peemedebista sempre rejeitou a tese de que conspirou pela queda de Dilma, assim como vem refutando todas as acusações que o colocam em esquemas de corrupção. Nesta semana, um relatório da Polícia Federal o colocou como beneficiário de um “quadrilhão do PMDB” que já foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF).

    Especula-se que a delação de Funaro será um dos carros-chefe da denúncia que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, fará contra Temer antes do fim do seu mandato à frente da Procuradoria-Geral da República (PGR), em 17 de setembro.

    Mais:

    Nova flechada vem aí? Funaro diz que Temer recebia e intermediava repasses de propina
    Pressão sobre Temer: Funaro confirma pagamentos de Joesley pelo seu silêncio, diz jornal
    Temer será investigado por suspeita de corrupção em decreto sobre portos
    Tags:
    Operação Lava Jato, conspiração, política, golpista, golpe, impeachment, STF, PGR, Rodrigo Janot, Dilma Rousseff, Lúcio Funaro, Eduardo Cunha, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik