22:28 22 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    930
    Nos siga no

    Na medida em que a classe política brasileira sofre grande descrédito junto à população brasileira, as Forças Armadas e a Igreja angariam elevada popularidade. O cientista político Christian Lynch falou à Sputnik Brasil sobre a relação entre a crise de representatividade política e os efeitos da Operação Lava Jato.

    Uma pesquisa divulgada esta semana pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostrou que o índice de confiança dos brasileiros no Governo Federal chegou a 6%. Em 2013, o mesmo índice era de 33%. O Congresso, assim como os partidos políticos, tem 7%. Já as instituições com os maiores índices de confiança, de acordo com o estudo, foram as Forças Armadas (56%) e a Igreja Católica (53%). Logo atrás aparece o Poder Judiciário com 24%, menos que os 29% que tinha em 2016. 

    O cientista político e jurista, professor do Instituto de Estudos Sociais da UERJ, Christian Lynch, falou à Sputnik Brasil sobre a relação entre a queda da confiança no na classe política brasileira e o desencadeamento da Operação Lava Jato.

    "A gente tem uma crise de representação política que foi gerada por um tipo de presidencialismo de coalizão, que pra veicular a governabilidade teve que cooptar os setores oligárquicos da classe política que estavam disponíveis pra dar apoio ao governo em troca de cargos e, eventualmente, de corrupção. Então quando começou a Operação Lava Jato, essa sensação de crise de representatividade só se aprofundou, e é isso que a gente tá vendo aí", diz ele. 

    Ao falar sobre a descrença da população na classe política brasileira, o especialista destacou a baixa popularidade e o envolvimento do atual governo de Michel Temer em escândalos da Operação Lava Jato.

    "O que acontece é que você tem um Congresso desmoralizado, uma presidência desmoralizada, que é legal, mas é ilegítima. E pra piorar a situação, este Executivo e este Congresso estão mancomunados pra tentar sobreviver e fugir da Justiça, então é a pior situação possível. A gente está preso numa ratoeira que só as eleições de 2018 podem nos livrar", comentou. 

    O cientista político, no entanto, descartou a possibilidade de uma intervenção militar no país em face à grande crise de representatividade da classe política brasileira e o aumento da poularidade das Forças Armadas. 

    "Eu não acho que a elevada consideração que gozam a Igreja e o Exército junto à população tenha qualquer símile com o que aconteceu em 64. Acho que nós temos uma crise como naquela época, mas a possibilidade de haver intervenção do Exército no meu juízo é nenhuma", analisou Lynch.

    O especialista também comentou o possível impacto que a queda da confiança no Governo e na classe política pode causar nas eleições presidenciais de 2018. Segundo ele, "haverá muitos candidatos à presidência da República e o cenário não vai ser algo imprevisível".

    "Eu acho que se houver algum candidato que esteja identificado com essa revolução do judiciário, identificado com a Lava Jato, ou determinadas posturas republicanas, o ministro aposentado Joaquim Barbosa, se houver umas figuras assim, eu acredito que possa haver um empolgamento da opinião pública que esteja comprometida com esses valores ou com esse movimento", concluiu.  

    Mais:

    Senador por Roraima, Jucá quer que Temer deixe de acolher venezuelanos
    Temer: 'Eu converso com quem eu quiser, onde eu quiser' (VÍDEO)
    Rodrigo Maia blinda Temer e OAB aciona STF para forçar a análise do pedido de impeachment
    Temer quer retirar direitos dos trabalhadores e dos estudantes, diz nova presidente da UNE
    Tags:
    eleições 2018, crise política, política, Congresso, Forças Armadas, Exército, Michel Temer, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar