11:45 26 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    “It doesn’t replace actual police work,” Lt. Sean MacDonald told the Miami Herald. “It’s policing with smarter technology.”

    Fim do sonho americano: Receita caça brasileiros com imóveis não declarados em Miami

    © flickr.com/ Gabriel Kaplan
    Brasil
    URL curta
    23152

    A Receita Federal está aumentando o cerco aos brasileiros que subavaliaram ou não declaram imóveis no exterior ao fisco. Segundo dados da própria Receita, 43% destes não declararam imóveis em Miami, Estados Unidos, em sua prestação de contas.

    Segundo nota enviada à Sputnik Brasil pela Receita, 43% desses proprietários não declararam o bem e 22% o fizeram subavaliando seu valor.

    Os brasileiros foram em 2015 o segundo maior grupo de compradores de imóveis na cidade da Califórnia, totalizando 12% das aquisições, alcançando a soma total de US$ 730 milhões. Dos 4.765 brasileiros que compraram imóveis nos últimos 5 anos, 65% o fizeram por meio de empresas de responsabilidade limitada abertas nos EUA — dessa maneira, não há a necessidade de comprovar moradia no país ou de ter visto de residência.

    O Leão pretende aumentar a fiscalização agora que a segunda rodada de regularização de ativos mantidos no exterior foi finalizada, na última segunda-feira (31). Para complicar ainda mais a vida dos sonegadores, o Brasil começa a colher os frutos do Facta — acordo de troca de informações financeiras que envolve Brasil, Estados Unidos e dezenas de outros países.

    O advogado especialista em direito tributário Linneu de Alburque Mello afirmou, em entrevista exclusiva à Sputnik, que o Fatca foi fruto da prisão do banqueiro suíço Bradley Birkenfeld em 2009, nos EUA. Ele contou à Justiça local como o seu banco, o UBS, operava para fraudar o fisco estadunidense.

    Transparência

    É possível pesquisar os proprietários de imóveis milionários no Condado de Miami-Dade com uma simples busca. A operação pode ser feita com um nome ou com um endereço.

    Já no Brasil, é necessário se aventurar em complexo emaranhado de cartórios. Linneu dá como exemplo a busca por um imóvel no Rio de Janeiro:

    "O sujeito tem um imóvel no Rio de Janeiro. Para você ter certeza, você teria que buscar em todos os cartórios de Registro de Imóvel [da cidade]. Isso se ele registrou".

    Para ele, a propriedade da terra no Brasil é "pouco transparente" e o "regime cartorário" é "muito rentável". "Salvo uma ou outra exceção, todo tabelião de cartório está muito bem de vida, e alguns estão muitos milionários".

    Linneu afirma que a situação é, na verdade, cultural, e não apenas um problema recente. "A gente herdou isso de Portugal, desde que fomos descobertos".

    Mais:

    Com divórcio marcado na UE, Reino Unido namora o Brasil
    Sambista e finalista do The Voice Ju Moraes fala da Rússia, funk e violência no Brasil
    'Crime organizado no Brasil está fazendo escola com o terrorismo internacional'
    Especialista: conexão Pequim-Lisboa pode aproximar Brasil da Ásia
    Megaprojeto boliviano aguarda participação do Brasil e da Argentina
    Especialista sobre Volkswagen e ditadura no Brasil: 'basta simplesmente pedir desculpa'
    Jornal alemão acusa Volkswagen de ter apoiado ditadura militar no Brasil
    Tags:
    Receita Federal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik