13:48 19 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Michel Temer

    Crise? Governo Temer mantém pouco mais de um Maracanã de comissionados, diz ONG

    Beto Barata/PR
    Brasil
    URL curta
    1547415

    O presidente brasileiro Michel Temer (PMDB) garantiu, em novembro de 2016, que o seu governo “cortava na própria carne” ao propor (e aprovar) a chamada PEC do Teto de Gastos, que congela gastos por 20 anos em áreas como saúde e educação. Contudo, uma ONG mostra que haveria espaço para maior austeridade da máquina pública.

    Análise publicada nesta segunda-feira pela organização Contas Abertas mostra que o número de cargos, funções de confiança e gratificações praticamente não mudou desde que Temer asusmiu o país, há pouco mais de um ano. Aproximadamente 100 mil posições – um pouco acima da capacidade do Maracanã (78 mil) – são ocupadas por não concursados.

    Os ministérios com mais funcionários comissionados são o da Educação (47.252), da Fazenda (6.688) e a Presidência da República (6.293).

    Em setembro do ano passado, uma lei federal extinguiu 10,4 mil cargos de chefia no governo federal que podiam ser ocupados por qualquer pessoa indicada e os substituiu por gratificações que só podem ser dadas a funcionários públicos de carreira, as chamadas Funções Comissionadas do Poder Executivo (FCPE).

    Tal posicionamento parecia coerente quando Temer abordou a PEC do Teto de Gastos, dois meses depois.

    “Qual é o governante que não quer gastar o máximo possível? Porque gastar o máximo possível pode gerar popularidade, e restringir o gasto pode gerar, inicialmente, uma impopularidade. Mas nós não pensamos só no Brasil de hoje, nós pensamos no Brasil de amanhã”, declarou o presidente, em discurso no Palácio do Planalto.

    Contudo, segundo o Gil Castello Branco, secretário-geral da Contas Abertas, quantitativamente o governo praticamente só alterou nomes de cargos e funções – algo que foi parcialmente reconhecido pelo ministro do Planejamento, Dyogo de Oliveira, que já disse que a redução de custos é “baixa” diante do gasto anual do governo com folha de pagamento dos servidores ativos e inativos (R$ 250 bilhões/ano).

    “O governo ainda tem quase 100 mil cargos, funções e gratificações, o que mostra que ainda há muito o que cortar nas despesas na administração pública federal”, avaliou.

    Mais:

    CCJ da Câmara aprova relatório que pede arquivamento de denúncia contra Temer
    Temer sanciona reforma trabalhista: 'a caravana está passando'
    Temer: 'Nenhum direito a menos e muitos empregos a mais', diz após aprovação da reforma
    Tags:
    austeridade, maracanã, não concursados, comissionados, funcionalismo público, política, PEC 55, pec do teto de gastos, Palácio do Planalto, Dyogo de Oliveira, Michel Temer, Gil Castello Branco, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik