10:55 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Polícia Federal em operação

    Polícia Federal acaba com a Força-Tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba

    Divulgação PF
    Brasil
    URL curta
    51420
    Nos siga no

    Agora é oficial. A direção da Polícia Federal confirmou nesta quinta-feira o fim da Força-Tarefa da corporação que atuava nas investigações da Operação Lava Jato em Curitiba. A decisão teria partido do diretor-geral da PF, Leandro Daiello, que recentemente esteve cotado a perder o cargo.

    De acordo com a revista Época, a decisão já foi informada aos últimos quatro delegados federais que integravam o grupo – que chegou a ter nove delegados, caindo depois para seis, já durante o governo do presidente Michel Temer (PMDB).

    Em nota divulgada à imprensa, a direção da PF informa que os delegados e agentes envolvidos nos mais de 100 inquéritos da Lava Jato em Curitiba, onde correm boa parte dos processos de primeira instância da operação, voltarão a ser lotados na Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros (DELECOR).

    Além disso, todos os policiais federais passarão a cuidar de outros casos, não mais dado exclusividade às apurações da Lava Jato.

    Nesta semana, o procurador regional da República, Carlos Fernando dos Santos Lima publicou em sua página no Facebook que a Força-Tarefa da PF em Curitiba teria acabado, em razão dos cortes de recursos e de infraestrutura para os trabalhos de investigação prosseguirem.

    A ausência de novas fases da Lava Jato teria como causa justamente a ausência de verbas para que tais operações fossem realizadas.

    Leia a íntegra da nota da direção da Polícia Federal:

    1. Os grupos de trabalho dedicados às operações Lava Jato e Carne Fraca passam a integrar a Delegacia de Combate à Corrupção e Desvio de Verbas Públicas (DELECOR);

    2. A medida visa priorizar ainda mais as investigações de maior potencial de dano ao erário, uma vez que permite o aumento do efetivo especializado no combate à corrupção e lavagem de dinheiro e facilita o intercâmbio de informações;

    3. Também foi firmado o apoio de policiais da Superintendência do Espírito Santo, incluindo dois ex-integrantes da Operação Lava Jato;

    4. O modelo é o mesmo adotado nas demais superintendências da PF com resultados altamente satisfatórios, como são exemplos as operações oriundas da Lava Jato deflagradas pelas unidades do Rio de Janeiro, Distrito Federal e São Paulo, entre outros;

    5. O atual efetivo na Superintendência Regional no Paraná está adequado à demanda e será reforçado em caso de necessidade;

    6. A Polícia Federal reafirma o compromisso público de combate à corrupção, disponibilizando toda a estrutura e logística possível para o bom desenvolvimento dos trabalhos e esclarecimento dos crimes investigados.

    Mais:

    Lava Jato x Mãos Limpas: Brasil conseguirá lavar a corrupção que resistiu na Itália?
    Crise ou interesse político? Lava Jato fica vulnerável com cortes na Polícia Federal
    Líder da Força-Tarefa sugere que, solto, Aécio poderá articular pelo fim da Lava Jato
    Governo Temer sufoca a Polícia Federal e Lava-Jato corre perigo
    Quem vai herdar os abacaxis da Lava Jato?
    Tags:
    política, corrupção, Operação Lava Jato, Polícia Federal, Michel Temer, Carlos Fernando de Souza Lima, Leandro Daiello, Curitiba, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar