16:59 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    O senador Aloysio Nunes preside sessão extraordinária para votar medidas provisórias

    Chanceler brasileiro defende entrada da Bolívia e fim de barreiras no Mercosul

    © Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    560

    O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, defendeu na última terça-feira que a Bolívia seja aceita no Mercosul e que o bloco sul-americano remova pelo menos 80 pontos que dificultam as trocas comerciais entre os seus integrantes.

    Participando da audiência conjunta das comissões de Relações Exteriores e de Defesa Nacional; e de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, Nunes cobrou os parlamentares brasileiros sobre a aprovação da entrada da Bolívia no bloco.

    De acordo com o chanceler, o Brasil é único membro do bloco que ainda não ratificou o tratado com o país vizinho, uma vez que a discussão tem enfrentado dificuldades no Congresso Nacional.

    No campo comercial, Nunes quer o fim de “barreiras tarifárias, barreiras de regulamentos e barreiras fitossanitárias que ainda persistem” e prejudicam as trocas entre os países-membros do Mercosul.

    “Nós identificamos cerca de 80 pontos de estrangulamento que precisam ser removidos”, destacou o ministro brasileiro, que revelou ainda existir uma negociação para a implantação de uma tarifa externa comum para o bloco sul-americano.

    O chanceler demonstrou otimismo também com a negociação entre União Europeia e Mercosul, a fim de abrir o mercado europeu para os produtos agrícolas do Brasil e dos países vizinhos. O discurso é semelhante ao defendido pela primeira-ministra alemã, Angela Merkel, e pelo presidente argentino, Maurício Macri, que recentemente se encontraram em Buenos Aires.

    O Mercosul surgiu em 1991 com a pretensão de ser um mercado comum, inspirado na Comunidade Econômica Europeia (que deu origem à União Europeia). No entanto, o bloco formado por Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela ainda está longe desse grau de integração.

    Hoje o Mercosul pode ser classificado como uma união aduaneira imperfeita, porque sua tarifa externa comum tem muitas exceções, ao mesmo tempo em que não pode ser considerado nem mesmo uma zona de livre comércio perfeita.

    Mais:

    Temer e Putin discutirão Mercosul e Comunidade Econômica Eurasiática
    Presidente italiano visita Uruguai em tentativa de avançar acordo entre UE e Mercosul
    Venezuela pode ser expulsa do Mercosul
    Tags:
    acordo de livre comércio, diplomacia, política, Itamaraty, Ministério de Relações Exteriores do Brasil, União Europeia, Mercosul, Aloysio Nunes Ferreira, Paraguai, Venezuela, Uruguai, Argentina, Bolívia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik