02:36 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    842
    Nos siga no

    Na próxima semana, os senadores da Comissão de Direitos Humanos vão até a cidade de Colniza, no Mato Grosso para acompanhar de perto as investigações sobre a chacina de nove trabalhadores rurais e um pastor evangélico na região.

    Eles foram torturados, amarrados e mortos, alguns decapitados, no dia 19 de abril em Taquaruçu do Norte, distrito de Colniza. Segundo a Polícia, os crimes teriam sido cometidos por quatro pistoleiros encapuzados contratados por fazendeiros da área, que é marcada por conflitos de terras. As vítimas estariam montando um loteamento irregular no local.

    Além da diligência na região dos crimes, a Comissão de Direitos Humanos do Senado também vai promover na Casa uma audiência pública sobre o assunto. 

    O pedido da audiência foi feito pelo senador Paulo Paim (PT-RS), que ressaltou que a Comissão não pode ficar se ausentar de acompanhar os assassinatos que tiveram repercussão internacional.

    "O mundo todo acompanhou o massacre e o mundo há de se perguntar: ‘não fizeram nem sequer uma discussão na Comissão de Direitos Humanos para ver o que aconteceu? Quem foram os mandantes do crime, por exemplo?’ E a Comissão vai se pronunciar."

    Por causa de um terceiro requerimento, por parte do senador Paulo Rocha (PT-PA) a Comissão entrou em um impasse, pois o senador convocou a presença do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e do Secretário Especial da Agricultura Familiar e de Desenvolvimento Agrário, Ricardo Roseno, na audiência pública sobre o massacre de Colniza.  Os parlamentares da base aliada do governo não concordaram em votar o requerimento, argumentando que ele não estava previsto na pauta do dia.

    O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR) negou que tenha havido resistência dos governistas contra a presença do ministro Eliseu Padilha no debate.

    "É praxe nas comissões que se leia o requerimento numa sessão para que seja votada em outra sessão. O governo não tem interesse de deixar de dar informação sobre esse ou qualquer outro problema ocorrido no país. Portanto, o que eu pondero é que se leia o requerimento hoje e que na próxima sessão, nós possamos aprovar o requerimento como “convite” ao ministro e o ministro virá para prestar as informações necessárias."

    Após o impasse, o requerimento de convocação do ministro da Casa Civil não chegou a ser lido na Comissão de Direitos Humanos. 

    Depois dos crimes, a segurança foi reforçada na região, que é de difícil acesso. O local onde aconteceu a chacina, está praticamente sem ninguém. As famílias fugiram do vilarejo de Taquaruçu do Norte com medo de que os criminosos voltem ao local.

    Tags:
    terra, conflito, fazendeiros, pistoleiros, trabalhadores rurais, massacre, chacina, Senado Federal, Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), Paulo Paim, Romero Jucá, Colniza (MT), Taquaruçu do Norte, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar