13:54 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Ex-presidente do Brasil, Dilma Rousseff

    Caixa 2 em 2014 foi discutido diretamente com Dilma, dizem marqueteiros

    © REUTERS/ Ueslei Marcelino
    Brasil
    URL curta
    1940144

    Os marqueteiros João Santana e Mônica Moura prestaram depoimento durante cinco horas nesta segunda-feira no Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA), em Salvador. Nele, ambos declaram que pagamentos de caixa 1 e caixa 2 foram discutidos com a então presidente Dilma Rousseff (PT).

    Segundo informações do blog da jornalista Andreia Sadi, do G1, Mônica discutiu pessoalmente com Dilma os pagamentos em um encontro no Palácio do Planalto. Ela teria sido então encaminhada ao ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, que acertaria os valores.

    Os marqueteiros teriam ido ao encontro dos executivos da Odebrecht após o contato com Mantega. Do total dos serviços prestados pela dupla à campanha de 2014 (R$ 105 milhões), R$ 70 milhões foram declarados e outros R$ 35 milhões entraram na campanha via caixa 2.

    Com o avanço da Operação Lava Jato, apenas R$ 10 milhões acabaram sendo pagos pelo caixa 2, declararam os marqueteiros.

    O casal depôs como testemunhas da ação que corre no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pede a cassação da chapa Dilma-Temer, vitoriosa na eleição presidencial de 2014. As contas chegaram a ser aprovadas com ressalvas no mesmo ano, mas uma investigação foi aberta a pedido do PSDB, que questionou um eventual abuso de poder político e econômico.

    Se considerados culpados, Dilma pode se tornar inelegível e Temer pode ser afastado da Presidência da República, posto que ocupa a cerca de um ano. As defesas de ambos negam quaisquer irregularidades.

    Mais:

    Temer indica que apoio do PT a Cunha poderia ter impedido impeachment de Dilma (VÍDEO)
    Defesa de Dilma Rousseff pediu mais tempo para as chamadas 'alegações finais'
    Analistas discutem delações de Odebrecht sobre chapa Dilma-Temer
    Tags:
    odebrecht, corrupção, Operação Lava Jato, cassação, impeachment, política, TSE, João Santana, Guido Mantega, Mônica Moura, Michel Temer, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik