11:10 08 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    1551
    Nos siga no

    Uma onda de violência aterroriza os moradores da grande Fortaleza. Em menos de 24 horas, foram registrados pelo menos 22 ataques a ônibus, que foram incendiados, incluindo um ônibus escolar.

    Os criminosos também queimaram dois carros da Cia de Água e Esgoto e três da empresa de energia elétrica, além de metralharem um banco e delegacias na cidade de Maracanaú e Fortaleza entre a noite de quarta (19) e a madrugada desta quinta-feira (20).

    Uma carta entregue pelos criminosos a um motorista de um dos ônibus incendiados, em um dos ataques diz que os crimes estão sendo cometidos em represália as transferências de presos e mudanças nos presídios.

    O Secretário de Segurança Pública do Ceará, André Costa, que está há pouco mais de quatro meses no cargo, não confirmou a relação dos ataques com a situação nos presídios. André Costa disse que a Polícia está investigando as motivações dos crimes e prometeu responder a onda de violência com firmeza.

    "Nós não vamos deixar que isso fique impune. Estamos com a atuação da Polícia Civil, com toda a nossa inteligência, para que todas essas pessoas possam sim responder pelas condutas praticadas."

    Por conta dos ataques, a população ficou sem transporte para voltar para casa desde ontem (19) à noite e na manhã desta quinta-feira (20), poucas pessoas se arriscaram a sair de casa para o trabalho, com medo de novos ataques.

    O Secretário de Segurança do Ceará, afirmou que a cidade não pode parar e disse que o trabalho vai ser o de garantir a segurança do transporte público em Fortaleza, assegurando que a população possa sair de casa,  ir trabalhar com segurança e voltar para casa com segurança. "A Cidade não pode parar, a gente vai acompanhar para que as pessoas saiam de casa, vão ao trabalho e voltem para suas casas."

    Segundo a Secretaria de Segurança, pelo menos oito pessoas suspeitas dos crimes já foram presas. Durante os ataques, um motorista e um cobrador deficiente físico ficaram feridos. O caso mais grave é do cobrador  José Nunes de Sousa Neto, 56 anos. Segundo o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do estado do Ceará (Sindiônibus), ele teve 90% do corpo queimado e segue hospitalizado.

     

    Tags:
    presídios, ônibus incendiados, criminosos, represália, ataques, violência, Secretaria de Segurança Pública do Ceará, André Costa, Fortaleza, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar