08:06 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Juizes pedem escolta também para juizes aposentados

    Sob a sombra da morte mesmo depois de aposentados

    Maurício Lima/AFP
    Brasil
    URL curta
    624

    Visados por poderosos grupos de interesse, devido a sentenças condenatórias, juízes e suas famílias têm sua integridade física ameaçada mesmo após aposentados. Diante desse cenário, entidades representativas da classe vêm se mobilizando para que a escolta permanente seja dada não só aos magistrados na ativa como àqueles que pararam de trabalhar.

    A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) enviou uma proposta ao Congresso Nacional neste sentido e a Associação dos Magistrados do Brasil (AMB) acredita que a consulta feita ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) vai resultar em uma norma que será válida para aumentar a proteção aos juízes em todo o país. Segundo o último relatório do CNJ, há 131 magistrados sob risco iminente em todo o Brasil. 

    Procurado pela Sputnik Brasil, o presidente da Ajufe, Roberto Veloso, diz que a entidade já conseguiu um projeto de lei, em tramitação na Câmara dos Deputados, prevendo essa situação. Segundo ele, a Comissão de Participação da Sociedade na Câmara adotou a proposta. Veloso lembra a situação do juiz Odilon de Oliveira, que ganhou notoriedade por atuar no combate ao crime organizado na região de fronteira com o Paraguai na cidade de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul. O magistrado, que está próximo da aposentadoria, passou boa parte de sua carreira sob proteção policial 24 horas por dia devido a diversas sentenças condenatórias que expediu contra chefes do crime organizado. 

    "Será uma injustiça muito grande que, após a aposentadoria, ele não tenha escolta, que tem que ser mantida ou por decisão do Congresso Nacional, que é o que pedimos, ou que o CNJ faça essa determinação", diz o presidente da Ajufe, observando que já existe uma determinação do respectivo tribunal concedendo a segurança, cuja duração fica por conta de decisão da própria polícia. Veloso lembra que o projeto enviado ao Congresso determina que a avaliação sobre a necessidade ou não da continuidade da escola seja feita pelo tribunal.

    Márcio Luís de Oliveira, professor de Direito Constitucional da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), observa a importância da ampliação dessa escolta aos juízes aposentados, uma vez que não apenas os magistrados ficam à mercê de ataques, assim como frequentemente os próprios membros da família.

    "Se a gente quer melhorar o país, fazer com que os juízes tenha condições de exercer bem suas funções, como está acontecendo ultimamente, eles e suas respectivas famílias têm que ter proteção", diz o professor.

    Oliveira explica que os juízes federais, em um primeiro momento, seriam protegidos pela Polícia Federal e os estaduais, pela Polícia Militar dos estados. Pode haver casos, segundo ele, em que um juiz estadual esteja trabalhando numa situação em que possa se expor a um risco maior. Além disso, ele observa que o CNJ tem essa competência prevista na Constituição até para fins administrativos. O professor da UFMG ressalta que, relativamente à questão da ameaça aos magistrados, as áreas mais sensíveis seriam aquelas ligadas ao Direito Penal.


    Mais:

    Presidente do STF pede união aos juízes para dar sossego a sociedade
    Juízes e promotores protestam contra mudanças no projeto anticorrupção
    Tags:
    juizes, ameaças, sociedade, proteção, violência, polícia, Associação dos Magistrados Brasileiros, Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Congresso, UFMG, Odilon de Oliveira, Márcio Luís de Oliveira, roberto veloso, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik