01:19 19 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Força Nacional no Rio

    'Rio de Janeiro se humilhou ao expor suas dificuldades na segurança pública'

    © Foto : Fernando Frazão
    Brasil
    URL curta
    831

    O emprego da Força Nacional de Segurança, atuando no Rio de Janeiro desde dezembro, expôs as dificuldades que a cidade e o Estado vêm enfrentando no campo da segurança pública.

    Por um lado, a atuação merece aplausos; por outro, deixa o Rio em situação humilhante, por expor publicamente suas dificuldades com a segurança pública. Esta é a opinião do jornalista e teólogo Antônio Carlos Costa, fundador e diretor-presidente da ONG Rio de Paz.

    Falando à Sputnik Brasil, Antônio Carlos Costa sustenta que a atuação da Força Nacional de Segurança permitiu alguma tranquilidade para a população, até porque ela também foi solicitada para apoiar a Polícia Militar na segurança da Assembleia Legislativa durante o período em que o Parlamento Estadual debateu a proposta de privatização da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), exigência do Governo Federal como uma das contrapartidas do Governo do Estado do Rio à concessão de um novo pacote de ajuda financeira.

    "[A atuação da Força Nacional] se fez necessária em função do estado de descontrole em que se encontra o Rio de Janeiro e também da pressão política que manifestantes estavam exercendo sobre a Assembleia Legislativa, movidos por um motivo absolutamente justo mas com um manifestante ou outro revelando sua revolta de uma forma que expunha a vida dos deputados", comenta o presidente do Rio de Paz. "Agora, é uma solução paliativa e, de alguma forma, também humilhante [o Estado do Rio solicitar a Força Nacional de Segurança ao Governo Federal], porque nós estamos falando da segunda cidade da Federação, que não precisava ter pedido uma ajuda como essa, tendo recursos para poder fazer frente aos dilemas que enfrenta no campo da segurança pública."

    Antônio Carlos Costa considera, ainda, que, "na verdade, esse pedido de socorro é sintomático. Ele é fruto de anos de descaminhos, de corrupção, de desacertos que fizeram com que se chamassem pessoas que são de fora, que vêm de outros Estados e que não estão familiarizadas com os problemas e as dificuldades, especialmente do ponto de vista geográfico do Rio e da dinâmica do crime organizado, o que acaba expondo a vida desses policiais [integrantes da Força Nacional de Segurança], tal qual aconteceu durante os Jogos Olímpicos, quando um policial foi a óbito. Então, se por um lado você aplaude [a atuação da Força Nacional de Segurança], porque se fez necessária, por outro você lamenta, porque, ao ter de fazer um pedido como esse, o Rio de Janeiro está mostrando as dificuldades que enfrenta no campo da Segurança Pública".

    Ainda segundo Antônio Carlos Costa, a responsabilidade pelos problemas do Estado do Rio deve ser compartilhada entre os Poderes Executivo e Legislativo, porque, a seu ver, os parlamentares não exerceram, como deveriam, o seu papel fiscalizador diante dos governantes.

    Mais:

    Força Nacional vai reforçar segurança de prisões em três estados
    Tropas da Força Nacional chegam no Amazonas e em Roraima para segurança de presídios
    Tags:
    combate crime organizado, corrupção, privatização, segurança, ONG Rio de Paz, Força Nacional de Segurança, Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, Cedae, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar