22:39 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0417
    Nos siga no

    Durante uma coletiva realizada mais cedo, o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, rechaçou qualquer chance de o governo revogar a decisão de responabilizar os policiais que participam de motim no Espírito Santo. Greve é proibida pelo Código Penal Militar e a pena pode chegar a 20 anos de prisão.

    "Quero deixar claro que não há a menor possibilidade de anistia aos amotinados", afirmou o ministro. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, apelou, por sua vez, para que as mulheres que seguem à frente dos batalhões deem passagem às viaturas e não impeçam o policiamento.

    "É preciso lembrar a essas esposas e mães que existem vidas em risco. Peço a elas que não levem seus companheiros para uma armadilha. O caminho é o da negociação. O outro é um beco sem saída", disse, acrescentando que "odo policial que quiser retornar terá lugar para pernoitar nas unidades militares".

    O governo do Espírito Santo insiste em dizer que a situação foi controlada e os policiais já estão retornando aos seus postos. Porém, por se tratar de um movimento sem liderança estabelecida, os familiares dos oficiais continuam impedindo o trabalho. Segundo Jungmann, a normalidade foi restabelecida em Vitória e a meta agora é estendê-la ao interior do estado.

    Desde o início do motim, mais de 130 pessoas já morrera no Espírito Santo.


    Mais:

    Polícia Civil do Espírito Santo pode entrar em greve em duas semanas
    Espírito Santo: Já é o caos, mas pode piorar
    Tags:
    Espírito Santo, Raul Jungmann, Antonio Imbassahy, Polícia Militar, Governo do Estado do Espírito Santo, Ministério da Defesa, Ministério da Secretaria de Governo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar