22:18 10 Dezembro 2016
Ouvir Rádio
    Desmatamento na Amazônia

    Desmatamento da Amazônia cresce, em um ano, 5 cidades de São Paulo

    Wilson Dias/ Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    813412

    Dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) revelam que de agosto de 2015 a julho deste ano a Amazônia perdeu 7.989 km² de área florestal, o equivalente a cinco vezes o tamanho do município de São Paulo. O aumento de 29% foi provocado por desmatamento e queimadas.

    A marca superior a 7 mil km² não era registrada desde 2010 e foi detectada pelo sistema do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes). Os principais motivos para o desmatamento foram a retirada de madeira para fins comerciais, abertura de pastagens e de áreas para plantio de soja. O Amazonas foi o estado mais atingido, com um desmatamento 54% maior que o de 2015. O Pará perdeu 3.025 km² de floresta, a maior taxa da Amazônia Legal. Os únicos estados onde o desmatamento recuou foram Amapá (-4%) e Mato Grosso (-6%).

    Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, o coordenador geral da Fundação Vitória Amazônica, Fabiano Lopez Silva, admite que o cenário é bastante preocupante. 

    "Existem dois fatores primordiais nessas taxas de desmatamento. O primeiro, que a gente vem observando nos últimos anos, é que houve uma mudança de padrão nos desmatamentos na região do sul e nordeste da Amazônia, onde grandes porções de terra eram desmatadas de uma vez só. Nos últimos dois, três anos, o desmatamento se dá de forma mais seletiva e de uma maneira em que os satélites têm muito mais dificuldade de monitorar e identificar." 

    O segundo ponto fundamental, segundo o especialista, está ligado à crise, especialmente dos estados e do governo federal que têm impactado de forma bastante crítica os orçamentos. No caso federal, há cortes de recursos no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICM-Bio), na esfera federal; nos estados, a redução orçamentária também atinge as secretarias de Meio Ambiente, o que tem diminuído o esforço de controle e fiscalização das atividades ilegais, se refletindo nas taxas de desmatamento. 

    "Em relação a nossa área de trabalho, que é a Bacia do Rio Negro, no estado do Amazonas, a gente vê que o estado foi o que teve o maior incremento nessas taxas, concentradas no sul. No entorno da área metropolitana de Manaus, houve um aumento do índice de queimadas nos municípios próximos à capital. No sul do estado, o desmatamento se dá por conta da retirada de madeira e por áreas de produção de soja e cultivo de gado, enquanto próximo das cidades o desmatamento se dá pela expansão urbana e pela demanda de matérias-primas, como madeira, para a construção civil." 

    Lopez Silva diz que a dinâmica de desmatamento em maior volume é um processo. Segundo ele, inicialmente, chegam os madeireiros na área de floresta reservada, onde são extraídas as madeiras de lei de maior valor de mercado. Uma vez limpa a floresta entram os agentes de produção de gado, que terminam de limpar a floresta e transformá-la em área de pastagem. Uma vez estáveis, essas áreas são revendidas aos produtores de soja. 

    "É um fluxo contínuo que não anda separadamente. Uma atividade financia a chegada da outra."

    Mais:

    Projeto Rural Sustentável vai reduzir desmatamento e emissão de gases de efeito estufa
    Radar em órbita espacial vai monitorar desmatamento na Amazônia
    Tags:
    queimadas, Amazônia, fiscalização, pecuária, agricultura, desmatamento, Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes), Fundação Vitória Amazônica, ICM-Bio, Ibama, Fabiano Lopez Silva, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik

    Todos os comentários

    • eoliver900
      A pata educadora,tinha ido a frança,para cupula da cop 21,que fala,sobre emissao de gases,aquecimento global e mais um monte de bosta.ta ai a materia.
      Quem manda mesmo,e o caixa 2 a velha e conhecida propina,do tipo cala a boca,as grandes madereiras e que dar as cartas.
    Mostrar comentários novos (0)

    Em foco