12:35 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Meirelles Orcamento

    Governo adia entrega de proposta de Orçamento de 2017

    Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    104
    Nos siga no

    O governo adiou a entrega do Orçamento de 2017, prevista para esta quarta-feira, 29, no Congresso, em função do impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado. A entrega seria feita ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e pelo interino do Planejamento Dyogo de Oliveira.

    Pela regras, a proposta orçamentária tem que ser apresentada ao Congresso até o final de agosto. Para 2017, o governo trabalha com um projeção de déficit primário (despesas superiores a receitas, sem incluir os juros da dívida pública) de R$ 139 bilhões, o segundo maior da série iniciada em 1997. Caso a previsão se realize, 2017 será o terceiro ano seguido em que o déficit primário ficará acima dos R$ 100 bilhões. 

    Em junho, o governo informou que, para cumprir essa meta, terá que registrar uma arrecadação extraordinária de R$ 55,4 bilhões, e para isso conta com a venda de ativos, receita proveniente da venda de concessões e recuperação da economia, que poderá fechar o ano com aumento de até 2% no Produto Interno Bruto (PIB), segundo projeções de várias consultorias.

    A estimativa do governo para aumento do PIB, como consta na proposta orçamentária, é de 1,6%. Em 2015, o PIB encolheu 3,8%. Para o ano que vem, o governo trabalha com a estimativa de um PIB de R$ 6,8 trilhões. Segundo o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, a proposta de orçamento não prevê aumento de impostos.

    No final da tarde, e pouco antes de se preparar para a viagem à China, acompanhando o presidente Michel Temer para o encontro do G-20, Meirelles deu uma rápida entrevista, explicando que a economia está reagindo melhor do que o esperado anteriormente.

    "Quando o PIB está caindo, a receita tende a cair mais do que o PIB", disse o ministro, reafirmando que os números do Orçamento são realistas e foram baseados nos números de hoje da economia.

    Meirelles detalhou também de onde espera conseguir os R$ 55,4 bilhões necessários para fechar as contas do ano que vem. Segundo ele, R$ 26 bilhões serão de receitas administradas, R$ 18,4 bilhões de receitas provenientes das concessões e R$ 5,3 bilhões de redução de despesas.

    O governo conta também com um aliado importante para o alcance dessa meta — a fixação de um teto para os gastos públicos, corrigindo as despesas apenas pelo índice de inflação registrado no ano anterior, a chamada proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241. Como ainda não foi aprovado pelo Congresso, o percentual mínimo previsto em lei para despesas com Saúde e Educação ainda deverá ser feito com base no sistema atual, que tem garantido altas reais (acima da inflação) nos últimos anos.  Entre 2003 e 2015, por exemplo, os gastos com Saúde tiveram crescimento real de 6,25% ao ano, enquanto as com Educação avançaram 8,5%. Com relação ao salário mínimo, a proposta do governo prevê correção de 7,5% para vigorar a partir de janeiro do ano que vem, o que corrigiria os atuais R$ 880 para R$ 946.

    Ajuda ao Norte e Nordeste ainda indefinida

    O Ministério da Fazenda informou que ainda não tem como sinalizar nada claro aos governadores do Norte e do Nordeste em relação aos pedidos de ajuda adicional aos estados, que reivindicam R$ 14 bilhões para compensar as perdas sofridas com o Fundo de Participação dos Estados (FPE) entre 2014 e 2016. O FPE é composto por recursos arrecadados por alguns tributos, como o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) repassado aos estados. Devido às desonerações concedidas nos últimos anos pela União impactaram esse fundo, em especial a partir de 2011. Na carta enviada semana passada ao então presidente interino Michel Temer, os governadores alegavam que os efeitos da crise econômica são mais fortes nas regiões Norte e Nordeste.

    Mais:

    Brasil acumula déficit em transações correntes de 4,05 bilhões de dólares em julho
    Banco Central diz que economia começa a melhorar no país e quer inflação de 4,5% em 2017
    Tags:
    educação, saúde, déficit, salário mínimo, despesas, receita, PIB, orçamento, G20, Congresso, Casa Civil, Ministério da Fazenda, Michel Temer, Eliseu Padilha, Dyogo de Oliveira, Henrique Meirelles, China, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar